Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/02/2004 - 21h15

Três assessores do ministro Gilberto Gil pedem demissão

Publicidade

da Folha Online

Três assessores do ministro da Cultura, Gilberto Gil, pediram demissão hoje em protesto contra a exoneração do secretário de Desenvolvimento de Programas e Projetos do ministério, Roberto Pinho.

A presidente do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Maria Elisa Costa, o assessor especial de Gil, Antônio Risério, e o coordenador do projeto Monumenta, Marcelo Ferraz, escreveram uma carta para o ministro criticando a pasta e explicando o motivo de suas demissões.

Roberto Pinho foi exonerado ontem por Gilberto Gil após ter sido acusado pelo secretário-executivo do ministério, Juca Ferreira, de irregularidades no contrato firmado com o Ibrac (Instituto Brasil Cultural).

Para Ferreira, o motivo da exoneração foi o "pouco respeito às normas legais" demonstrado por Pinho em sua atuação como gestor público.

Na carta, no entanto, os três assessores afirmam que a exoneração de Pinho foi fruto de "disputa de poder, politicagem e intrigas".

Ibrac

Pela parceria firmada entre o Ibrac e o ministério, ficou determinado que a entidade receberia R$ 1,5 milhão do governo para a construção de cada uma das 16 Bases de Apoio à Cultura --centros artísticos instalados nas periferias das grandes cidades (totalizando R$ 24 milhões).

O presidente do Ibrac, Sérgio de Souza Fontes Arruda, é funcionário público, amigo e dono da casa onde Pinho mora.

Pinho alega que não há irregularidades na parceria porque o Ibrac é uma sociedade civil de interesse público, o que dispensaria a obrigatoriedade de uma concorrência pública.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página