Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/04/2004 - 04h51

Filme de Monique Gardenberg gera encanto retardado

Publicidade

FERNANDO DE BARROS E SILVA
Editor de Brasil da Folha de S.Paulo

Monique Gardenberg fez uma opção clara pelo espírito que anima o livro de Chico Buarque. Evitou transformá-lo numa obra de impacto e apelo mais fácil, num produto para exportação, tentações comuns nestes tempos em que a auto-proclamada maioridade do cinema nacional se confunde com um bilhete de ingresso na festa do Oscar.

"Benjamim" resultou num belo filme. É provável que seja recebido com certa frieza exatamente pelas qualidades que exibe: a trama amorosa que amarra passado e presente e Benjamim Zambraia a Castana Beatriz/Ariela Masé não se impõe como melodrama sobre as demais dimensões do enredo; o retrato do Rio de Janeiro não tem nada de cartão-postal.

"Benjamim" é narrado menos pelos acontecimentos do que pelos pensamentos atormentados de Zambraia, preso ao fantasma de seu passado, que busca redimir sem ter consciência disso.

O filme, como disse a diretora, transcorre a um palmo do chão.

A atuação de Paulo José no delicado papel do protagonista é primorosa, talvez o ponto alto da adaptação. Seu Zambraia é composto de gestos mínimos, vacilantes, exprimem não só sua fragilidade, mas uma espécie de estado mineral a que está condenado. O resto de dandismo do personagem o coloca numa relação muito particular com o tempo e o subtrai do espaço à sua volta.

Também muito positiva é a estréia de Cleo Pires no duplo papel de Castana/Ariela. É particularmente feliz e sem afetações a mistura entre inocência e arrivismo que ela obtém interpretando a corretora de imóveis que traz o passado de Zambraia à tona.

Gardenberg filma os anos 60 com cores berrantes e imagens granuladas. A câmera, mais estática, parece compor quadros de uma época feliz, fantasiosa. Já as imagens do presente têm cores menos intensas e cenas mais agitadas. A fotografia de Marcelo Durst conseguiu nesse contraste um belo efeito de linguagem. A trilha, que também opera nesse duplo registro, é outro destaque.

"Benjamim" não é um filme genial, que arrebate. Mas parece ir se tornando melhor à medida que nos distanciamos da sessão. Provoca um encanto retardado, que o aproxima da boa literatura.

Avaliação:

Benjamim
Direção: Monique Gardenberg
Produção: Brasil, 2003
Com: Cleo Pires, Paulo José
Quando: a partir de hoje nos cines Morumbi, Cinearte, Villa-Lobos e circuito

Leia mais
  • "É preciso desrespeitar a obra literária", diz diretora de "Benjamin"
  • Paulo José "vence" Parkinson e Cleo Pires estréia no cinema
  • Monique Gardenberg não vê "Budapeste" como filme

    Especial
  • Veja fotos do filme "Benjamin", de Monique Gardenberg
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página