Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/07/2004 - 03h16

"Sou um esteta que se interessa por política", diz Pellizzari

Publicidade

CASSIANO ELEK MACHADO
da Folha de S.Paulo

Veja a seguir a entrevista com Daniel Pellizzari:

Folha - Na sua opinião, que características, além do fato de escreverem blogs e os ancorarem no Wunderblogs, unem os autores coligados no livro?

Daniel Pellizzari -
Senso de humor, afeição pela capacidade humana de raciocinar e um bom domínio da língua portuguesa.

Folha - Quando você começou a escrever blogs e por quê? Você já escrevia antes com freqüência? Como?

Pellizzari -
Publico textos de todo o tipo --literários ou não-- na internet desde 1995. Por quê? Porque ela estava lá.

Folha - Quais as principais vantagens e desvantagens do blog em relação a outros formatos, como diários, iluminuras, livros, apostilas, panfletos etc.?

Pellizzari -
Não considero literatura os textos do meu blog. Ali é só um espaço para eu resmungar quando sinto vontade, compartilhar cousas que encontrei pela internet, expor algumas bobagens que andei pensando e assim por diante. Um blog só poderia ser um blog. Este livro não é mais um blog. É um recorte de blogs, que tirados de seu contexto original tornaram-se outra coisa que não blogs.

Folha - Quantos posts vocês escreve em média a cada mês? Quanto tempo você gasta com os blogs?

Pellizzari -
Não tenho nenhuma preocupação com a freqüência dos posts. Quando quero dizer alguma coisa, vou lá e escrevo. Não costumo pensar no tempo que gasto com coisa alguma. Vou fazendo e só. Fico sem tempo de olhar para o relógio, creio.

Folha - Como selecionou o material para o livro "Wunderblogs.com"?

Pellizzari -
Lendo os arquivos e filtrando o que me parecia menos ruim e/ou solipsista. Alguns textos entraram por aclamação popular (como a receita de chili); quase me senti descendo a Sierra Maestra, por pouco não farejei o suor da revolução.

Folha - Qual o perfil do leitor dos blogs Wunder? Quem são os 'inimigos' do Wunder?

Pellizzari -
Não faço idéia. Não me interesso por isso, sinceramente. Política e politicagens me entediam. Sou antes de tudo um esteta, e o Terceiro Reich já mostrou o que acontece quando estetas se interessam por política: uniformes com grife Hugo Boss e uma sucessão de patetices. Não que outros façam cousa muito melhor, é bom sublinhar.

Ademais, esse é um dos motivos para eu não ter caixa de comentários no blog; dá margem a picuinhas totalmente desinteressantes. Ali estou falando sozinho, não sinto nenhuma necessidade de resposta, muito menos as automáticas e irrefletidas. Se alguém realmente tem algo a me dizer, toma tempo para escrever um e-mail.

Folha - O que você pensa da literatura contemporânea brasileira?

Pellizzari -
Uma boa bagunça, no melhor dos sentidos. O melhor de tudo é que a Academia e seus lacaios não conseguem entender nada. Bonito pacas, isso.

Folha - Quem são seus "modelos" intelectuais e literários?

Pellizzari -
Aprecio muita gente viva e defunta, mas gosto de pensar que já passei da idade de ter modelos.

Folha - O escritor Marçal Aquino disse ontem, em debate no Sesc Anchieta, de São Paulo, que "todos os escritores hoje são de esquerda". Comente.

Pellizzari -
Verdade, eu sou canhoto e tenho uma coisinha pela idéia de Capeta.

Folha - Variante da pergunta anterior: os autores do Wunderblogs são muitas vezes chamados de direitistas, conservadores etc. O que você pensa disso?

Pellizzari -
Penso que a loteria da estupidez foi generosa até demais com o Brasil.

Folha - Quem é, na sua opinião, o mais conservador e/ou reacionário dos 11 autores reunidos no livro?

Pellizzari -
O Nelson Rodrigues.

Folha - Existe direita (ou termo equivalente) inteligente aqui ou fora do país hoje em dia? Exemplos?

Pellizzari -
Não consigo ver o mundo dessa forma, desculpe. Direita, esquerda, centro, terceira via, PSTU, TFP, isso tudo não me faz sentido algum. Não faço parte desse mundo e esse mundo não encosta as patas sujas no meu.

Essa visão de mundo pressupõe entender o mundo através de classes sociais, o que eu considero uma das supremas indicações de pobreza de espírito. Divido o mundo em gênios, inteligências criadoras, pessoas interessantes, gente tolerável e turma das galés. Sim, eu devo ser meio gnóstico.

Folha - Quais dessas características você acha que tem seu blog: pessimismo, otimismo, bom humor, mau humor, misticismo, moralismo, anglofilia, "antibrasileirismo", liberalismo, catolicismo, cristianismo, classicismo, ironia, passadismo.

Pellizzari -
Otimismo. Humanismo. Também me encanta superestimar os leitores, quando lembro que eles estão ali.

Leia mais
  • Textos "efêmeros" para internet ganham sobrevida em coletânea
  • Editora quer surpreender leitores
  • Blogueiros dizem não ser "de direita"

    Especial
  • Leia entrevistas sobre o livro Wunderblog.com
  • Arquivo: veja o que já foi publicado sobre blogs
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página