Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/12/2004 - 09h17

Ação acusa Record e Rede Mulher de demonizar negros e religiões afros

Publicidade

da Folha Online

A Record e a Rede Mulher, TVs da Igreja Universal do Reino de Deus, terão de responder a ação, que acaba de virar processo na 5ª Vara Cível Federal, por exibirem programas que, segundo a procuradora da República Eugênia Fávero, demonizam religiões afro-brasileiras, como o candomblé e a umbanda. (Leia a íntegra da ação civil contra a Record e Rede Mulher.)

Segundo a coluna "Outro Canal", publicada nesta quinta-feira no jornal Folha de S.Paulo, as emissoras são acusadas de infringir a liberdade de crença ao transmitirem programas, produzidos pela neopentecostal Igreja Universal, em que as religiões afro-brasileiras são referidas com termos como "encosto", "demônios", "bruxaria" e "feitiçaria".

Na ação, também assinada por Hédio Silva Júnior, coordenador da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP, Record e Rede Mulher são acusadas de preconceito religioso e racial e de violarem a Constituição Federal.

Ainda segundo a coluna "Outro Canal", a Record não irá comentar o assunto. A Rede Mulher afirmou que os "programas são de responsabilidade de quem os produz".

Leia mais
  • Leia a coluna "Outro Canal" (só para assinantes do UOL e da Folha)
  • Leia a coluna Ooops!
  • Leia a coluna Zapping

    Especial
  • Leia mais sobre a igreja Universal

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página