Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/06/2005 - 15h55

Veja a cronologia do caso de abuso sexual contra Jackson

Publicidade

da France Presse, em Santa Maria

Processado pelo crime de abuso sexual de um adolescente, Michael Jackson, 46, já sofreu no passado outras acusações do mesmo tipo que não chegaram a ser denunciadas oficialmente. Nos dois casos anteriores, o cantor fez acordos milionários com as famílias dos garotos.

Veja abaixo a cronologia dos fatos:

1990

Filho de uma ex-empregada da casa de Michael Jackson acusa o astro de abuso sexual. Após acordo com a família da suposta vítima, nenhuma denúncia formal é feita.

1993

Agosto: A polícia de Los Angeles inicia investigação criminal contra o astro após o garoto Jordie Chandler, 13, confessar a seu terapeuta que foi molestado sexualmente por Jackson --que, na época, estava na turnê mundial de seu álbum "Dangerous".

Setembro - Chandler entra com processo contra Jackson, acusando-o de agressão sexual, negligência e fraude.

Dezembro: Na televisão, o cantor diz que é inocente e que foi humilhado pela polícia, que fotografou seu órgão genital como parte da investigação.

1994

Janeiro: Advogados de Chandler e de Jackson dizem que o astro concordou com um acordo extrajudicial --cujo valor foi anunciado pela imprensa como tendo sido de US$ 23 milhões. Após o acordo, a promotoria diz que nenhuma acusação seria registrada formalmente.

2003

Fevereiro: É exibido o documentário "Vivendo com Michael Jackson", feito pelo jornalista britânico Martin Bashir, no qual o astro diz que divide sua cama com crianças e aparece de mãos dadas com Gavin Arvizo, um garoto de 13 anos que tinha câncer na época --e que depois o acusaria de abuso sexual. Oficiais da área do bem-estar infantil do governo norte-americano iniciam uma investigação, interrompida após o garoto negar ter sido vítima de molestamento.

Junho: Um psicólogo de Los Angeles diz aos oficiais do bem-estar infantil que Arvizo confessou ter sido molestado por Jackson, iniciando uma investigação da polícia de Santa Maria.

Novembro: A polícia faz buscas no rancho de Jackson, Neverland. O astro é preso e liberado depois de pagar uma fiança de US$ 3 milhões.

Dezembro: Jackson é acusado de cometer "atos libidinosos" contra um menor e de embebedá-lo para abusar dele.

2004

Janeiro: Convocado à corte de Santa Maria, Jackson se declara inocente. Na saída, o astro dança no teto de seu carro e manda beijos para a multidão de fãs que o esperava.

Abril: Rodney Melville, juiz da Corte Superior de Santa Maria, anuncia que um Jackson será julgado por um júri popular, que avaliaria dez acusações contra o astro, incluindo molestamento de criança, fornecimento de álcool a um menor de idade e conspiração para seqüestrar uma criança.

O JULGAMENTO

2005

Fevereiro: Começam as declarações de abertura da promotoria e da defesa. Tom Sneddon, promotor do distrito de Santa Maria, descreve o astro como um "predador sexual que atrai crianças para Neverland". O líder da defesa de Jackson, Thomas Mesereau Jr., ataca a mãe do garoto que acusa o cantor, descrevendo-a como uma "vigarista com um longo histórico de falsas denúncias" que teria manipulado seu filho para que este denunciasse o astro, em busca de dinheiro.

1º de março: O jornalista Martin Bashir é convocado, mesmo após ter pedido para não testemunhar no caso. Ele invoca o segredo de imprensa e se recusa a responder a diversas perguntas.

10 de março: O menor de 15 anos, a principal testemunha de acusação contra Jackson, depõe e afirma que o cantor lhe serviu bebidas alcoólicas e o masturbou duas vezes. A defesa do astro aponta contradições no depoimento, confirma que Arvizo já havia negado qualquer molestamento anteriormente e acusa o menino de ter inventado a história após um encontro com um advogado.

11 de março: Jackson se atrasa para o segundo dia de depoimento de seu acusador, o que leva o juiz Melville a emitir um mandado de prisão contra o astro. Pouco antes de esgotar o novo prazo estipulado pelo juiz para que Jackson aparecesse, o astro surge vestindo pijamas e alegando ter sido internado às pressas para tratar de uma dor nas costas.

28 de março: O juiz Melville autoriza a promotoria a apresentar evidências de casos anteriores de má conduta sexual de Jackson. São mencionados os casos de Jordie Chandler, o garoto que acusou o astro em 1993, e do filho de uma ex-empregada do cantor, que também retirou uma acusação contra Jackson em troca de dinheiro, em 1990.

5 e 6 de abril: Dois ex-empregados de Jackson depõem. Uma ex-governanta afirma ter visto o cantor tomando banho com uma criança de aproximadamente oito anos, no início dos anos 90. Um ex-segurança afirma ter visto o astro fazendo sexo oral em um menor. A defesa ataca ambos mostrando que já haviam perdido uma disputa jurídica com o astro; o segurança já havia sido condenado por roubar o cantor.

13 de abril: Mãe da suposta vítima é convocada a depor. Ela afirma que o rancho do cantor, "é um covil de bebidas alcoólicas, pornografia e sexo com garotos" e afirma que foi mantida refém por seguranças de Jackson e forçada a gravar um vídeo com depoimentos a favor do astro. Respondendo à defesa, ela admite ter utilizado milhares de dólares, doados para o tratamento de seu filho, em benefício próprio. Ela também não explica por que não chamou a polícia quando o cantor supostamente a manteve presa.

28 de abril: Os promotores convocam a enfermeira Debbie Rowe, ex-mulher de Jackson e mãe de dois de seus filhos, na tentativa de provar que o astro a impedia de ver os filhos e a teria forçado a gravar um vídeo exaltando-o. Rowe, contudo, descreve Jackson como "uma grande pessoa e um pai exemplar".

4 de maio: A promotoria encerra sua parte após convocar 85 testemunhas e apresentar mais de 500 peças de evidência.

5 de maio: A defesa inicia sua atuação convocando os dois garotos que passaram a infância ao lado do cantor. Ambos afirmam terem dormido junto com o astro, mas negam firmemente terem sido molestados. A mãe de um deles também depõe e diz que sempre confiou em Jackson.

11 de maio: O ator Macaulay Culkin depõe, nega qualquer comportamento inadequado por parte de Jackson e diz que as acusações contra o astro são "ridículas".

19 de maio: O juiz Melville considera "irrelevante" e dispensa o testemunho do apresentador de "talk show" Larry King ao júri, após ele dizer que o advogado da família da suposta vítima havia lhe dito que a mãe era uma "lunática atrás de dinheiro".

24 de maio: A defesa chama suas últimas testemunhas. O apresentador de TV Jay Leno afirma ter recebido inúmeros telefonemas de Gavin Arvizo que soavam "excessivamente elogiosos" e "pareciam ensaiados", mas disse que o garoto nunca lhe pediu dinheiro. O ator Chris Tucker diz que Gavin e seu irmão caçula tentaram, diversas vezes, conseguir dinheiro e presentes e que a mãe dos garotos tinha um comportamento bizarro, como se estivesse "possuída". Tucker também disse que alertou Jackson sobre o perigo que a família representava.

25 de maio: A defesa encerra sua parte após convocar 50 testemunhas. No dia seguinte, o juiz Melville autoriza a promotoria a exibir o vídeo do depoimento da suposta vítima à polícia, para provar a consistência das acusações do garoto.

de 26 de maio a 2 de junho: A promotoria e a defesa finalizam as argumentações e conclusões. O juiz responsável orienta os jurados.

3 de junho: O júri se reúne para definir o caso.

Leia mais
  • Entenda as acusações contra Michael Jackson

    Especial
  • Veja galeria de fotos sobre a carreira de Michael Jackson
  • Veja galeria de fotos do julgamento de Michael Jackson
  • Leia o que já foi publicado sobre o cantor Michael Jackson
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página