Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/08/2005 - 15h12

Crítica: Formiguinhas da Globo salvam "América" do desastre

Publicidade

SÉRGIO RIPARDO
Editor de Ilustrada da Folha Online

Apedrejada no começo, "América" renasceu das cinzas e caiu no gosto popular. Por trás do alívio no ibope, está um batalhão de formiguinhas que trabalham no anonimato para salvar a Globo do prejuízo. Ou seja, o mérito não é só de Glória Perez, autora da novela, como se aparenta.

Divulgação
Touro Bandido faz mais sucesso do que Sol
Touro Bandido faz mais sucesso do que Sol
Nos bastidores, houve uma operação de guerra para amortecer a saraivada de ataques lançados pelos críticos da trama. Profissionais da emissora gastaram muita saliva e telefone para desarmar bombas, difundir notinhas positivas e criar expectativas otimistas sobre a novela. Assim viraram o jogo.

Glória Perez teve de rebolar e colocar a mão na massa para vender seu peixe, escalando amigos famosos, que falaram bem da novela e fizeram participações especiais (como Roberto Carlos) --ou prometerem (como Pelé). Além das festas em churrascarias para brindar o "sucesso".

O "esquemão Globo" foi também mobilizado para reforçar o marketing da novela, com remissões e referências espalhadas por quase toda a programação. Era o elenco no "Domingão do Faustão", enquetes no "Vídeo Show", reportagens sobre brasileiros nos EUA no "Fantástico".

No quesito "divulgação", a emissora do Jardim Botânico é mais eficiente que suas concorrentes, onde ainda reina o amadorismo. Há emissoras em São Paulo que não sabem o básico de relações públicas, como o envio de fotos por e-mail ou manter um site com informações corretas.

Dicas de noveleiras

O bombardeio sofrido por "América" também ajudou na recuperação da audiência. Parte do público ficou curioso para ver os erros apontados pelos "inimigos" da novela. Em outra frente, Glória Perez foi obrigada a mudar o rumo da trama para evitar o desastre.

Divulgação
Ator Jaime Leibovitch vive um pedófilo
Ator Jaime Leibovitch vive um pedófilo
Para tomar essas decisões, a Globo recorre à orientação do "group discussion", como são chamados os grupos de noveleiras que discutem a história, apontando o que agrada e o que irrita na trama. São as dicas dessas telespectadoras cativas com que a emissora corrige os problemas.

Após as alterações nos perfis de personagens e na edição de cenas, "América" mudou praticamente para o Rio. Nas últimas semanas, as histórias mais quentes transcorrem no Brasil. Quando Miami surge na tela, é hora de o espectador ir ao banheiro ou tomar água.

A novela de Mariana e Cléo

No futuro, "América" vai ser lembrada como a novela das atrizes Mariana Ximenes (a rebelde "Raíssa") e Cléo Pires (a lolita "Lurdinha"). Até o touro "Bandido" faz mais sucesso que a mocinha "Sol", de Deborah Secco, que perdeu todos os créditos obtidos com "Darlene", de "Celebridade" (2003).

Divulgação
Mariana Ximenes ganha força com sucesso de Raíssa
Mariana Ximenes ganha força com sucesso de Raíssa
Quem firma carreira com "América" é Mariana Ximenes. Não é à toa que a bela é a garota-propaganda do maior banco privado do país, enquanto a façanha de Deborah Secco é ter sua foto anunciando um evento da Avon nos vidros do metrô de São Paulo. Às vezes, protagonizar uma novela das oito pode ser uma faca de dois gumes.

Alguns atores, que começaram mal em "América", se recuperaram. Camila Morgado encontrou finalmente o tom certo para vilã May, mas não entra para a história das malvadas globais, como Nazaré, de ("Senhora do Destino"), de Renata Sorrah, e Laura ("Celebridade"), de Cláudia Abreu.

Safra ruim de galãs

Já o protagonista Murilo Benício, que faz o caipira "Tião", é o alerta de que a última safra de galãs quebrou. Ele não empolga. Quem está nas capas das revistas é Bruno Gagliasso, que interpreta o indeciso Júnior, ora gay, ora hetero, um personagem secundário. Caco Ciocler, o professor Ed, também brilha e, com seu visual, colocou a barba na moda de novo.

Na categoria "musa da vez", a atriz Juliana Paes, que vive a falsa beata Creusa, passou o cetro para Samara Felippo, que vive uma "caçadora de peões", e foi sondada para posar nua na "Playboy". Mas Samara esnoba o título de "símbolo sexual" e aposta em uma carreira "séria".

Samara não será uma Fernanda Montenegro e precisa aprender a lidar com a fama. Ela deu um piti em um bar nos Jardins e gritou que odeia São Paulo. "Sou carioca. No Rio faço o que quero". Os paulistanos vão deixar barato? Regina Casé já foi odiada por criticar a cidade dos outros.

"Limusine do sexo e vovô tarado"

Divulgação
Garoto Rique é vítima do "vovô tarado" em "América"
Garoto Rique é vítima do "vovô tarado" em "América"
Estrelismos à parte, "América" também foi apimentada com ingredientes apelativos para recuperar a audiência. Não só com a pouca roupa da dançarina "Sol" e a "limusine do sexo", já usada pelo casal protagonista e por Consuelo (Claudia Jimenez) e Jota (Roberto Bomfim). Até pedofilia também é explorada com as investidas do "vovô tarado" em cima do garoto Rique, que só quer jogar videogame.

Iniciada no dia 14 de março, "América" termina no dia 4 de novembro, após oito meses. Será substituída por "Belíssima", de Silvio de Abreu. Em geral, uma novela fica no ar por seis a oito meses. A reviravolta no ibope salvou "América" de ser encurtada, mas Glória Perez sabe que suou bastante e que foi salva pelo gongo pelo "quarto poder" da Globo e pelas "formiguinhas" anônimas envolvidas nessa engrenagem.

Leia mais
  • Crítica: "Filhote" retrata "ursos" no filme mais ousado em cartaz
  • Crítica: "O 3º Travesseiro" afunda em caricatura, clichê e direção desastrada
  • Crítica: Livro de Jean expõe o gay que a Globo leva a sério

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre a novela "América"
  • Enquete: Musa de "América" odeia São Paulo. O que você acha?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página