Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/05/2009 - 11h15

Biografia e álbum duplo lembram Ataulfo Alves

Publicidade

da Folha de S.Paulo, no Rio

O compositor Nei Lopes classifica Ataulfo Alves como "um dos pilares sobre os quais se ergueu a música popular brasileira". Mas diz que o fato de ser um expoente da UBC (União Brasileira de Compositores), forte sociedade de direitos autorais, deve tê-lo ajudado bastante. "Ataulfo era poderoso."

Sérgio Cabral, que acabou de escrever "Ataulfo Alves - Vida e Obra", endossa apenas em parte essa visão. Diz que o sambista "fez carreira" na UBC, sendo segundo inspetor no final dos anos 40 e chegando só posteriormente a cargos mais altos.

Rafael Andrade/Folha Imagem
Músico Ataulfo Alves (1909-1969), que ganha biografia e álbum duplo
Músico Ataulfo Alves (1909-1969), que ganha biografia e álbum duplo

"Talvez tenha ajudado, porque ele entendia do assunto. Mas o sucesso veio antes", afirma Cabral.

O sucesso obtido entre os anos 40 e 60, com "Leva Meu Samba" (sua primeira gravação como cantor, de 1941), "Pois É", "Na Cadência do Samba", "Laranja Madura", "Você Passa, Eu Acho Graça", entre outras, impediu Ataulfo de ser tema dos escritos de Cabral, embora fossem amigos.

"Ataulfo era vitorioso, tinha um Cadillac, era dos mais elegantes, foi contratado da rádio Nacional até morrer. Dei maior importância a Cartola, Ismael Silva, Nelson Cavaquinho, Zé Keti. Eles não tinham dinheiro, precisavam ser conhecidos. Agora, todos morreram, Cartola é sempre lembrado, com justiça, e Ataulfo ficou esquecido", diz Cabral.

De Melodia a Beth

O artista também será tema de um CD duplo produzido por Thiago Marques Luiz, a ser lançado até julho pela Lua Music.

Entre os intérpretes estão Elza Soares, Luiz Melodia, Angela Ro Ro, Beth Carvalho, Elba Ramalho, Fafá de Belém, Ná Ozzetti, Fabiana Cozza, Simoninha, Romulo Fróes, Verônica Ferriani e Silvia Machete.

Para o pesquisador Jairo Severiano, o fato de ser mineiro, filho de um violeiro, determinou a originalidade de Ataulfo.

"Ele trouxe para o samba um certo jeito dolente, melancólico, de toada sertaneja", afirma o pesquisador.

Ataulfo ainda será homenageado neste ano em um musical dirigido por Zezé Motta.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página