Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
26/01/2006 - 18h47

Após confusão na estréia, "Dinos na Oca" bate recorde

Publicidade

DIÓGENES MUNIZ
da Folha Online

A exposição "Dinos na Oca e Outros Animais Pré-Históricos", aberta nesta quinta-feira na Oca, no parque Ibirapuera, começou com recorde de público. Das 13h às 16h, cerca de 3 mil pessoas passaram pelo pavilhão. Trata-se do maior número registrado em uma estréia no local, segundo organizadores do evento --até então, a marca era da mostra "Guerreiros de Xian".

Divulgação
Veja galeria de imagens sobre a exposição dos dinos
Veja galeria de imagens sobre a exposição dos dinos
Cotada como a maior exposição sobre dinossauros já realizada no país, "Dinos na Oca" reúne 400 peças de um acervo vindo de várias partes do mundo --o investimento total é de R$ 7 milhões. Além das peças expostas, chama atenção também o cenário.

Os cenógrafos Felipe Tassara e Daniele Thomas, responsáveis pela contextualização do espaço físico, criaram um clima de expedição arqueológica "hi-tech" dentro da Oca. No piso subterrâneo, o chão é recoberto de terra batida e os visitantes caminham sobre uma passarela. Dezenas de telas com legendas animadas explicam do que se trata cada item.

Diógenes Muniz
Telas com legendas animadas explicam cada item
Telas com legendas animadas explicam cada item
"Tive que fazer um curso com o professor Anelli [que também é curador da mostra], para me inteirar sobre o assunto", contou Tassara na abertura do evento.

Com relação ao acervo, um dos artigos que impressionam é o imponente Jobaria, localizado no piso subterrâneo. O animal viveu na África, durante o período Cretáceo (há 135 milhões de anos), e possui 22 m de comprimento. Chega até mesmo a ofuscar o crânio do tão popular Tiranossauro Rex, exposto no mesmo piso.

A seleção internacional da mostra vem por meio da Fundação Project Exploration, de Chicago (EUA), que tem como diretor Paul Sereno, professor da Universidade de Chicago. A curadoria é assinada por Luiz Eduardo Anelli, paleontólogo e professor-doutor do Instituto de Geociências da USP (leia entrevista).

Confusão na abertura

Antes mesmo da mostra abrir seus portões, cerca de 40 pessoas já aguardavam para conferir a exposição. As famílias não haviam sido informadas, porém, de que os horários oficiais (9h às 21h) não seriam cumpridos na abertura do evento --a organização planejou uma entrevista coletiva de imprensa às 11h.

Diógenes Muniz
Luciano Santos, 29, mostra convites que ganhou
Luciano Santos, 29, mostra convites que ganhou
"Isso é um desrespeito com quem fez uma viagem de três horas até aqui", disse Marli Ancassuerd, 60. A professora e seu sobrinho Pablo Henrique, 8, um "dinomaníaco", vieram de Aguaí, a 206 km de São Paulo. Quando conseguiram chegar, descobriram que iam esperar mais duas horas e meia.

Assim como a professora Marli, o também professor baiano Luciano Santos, 29, que passa férias na cidade, foi surpreendido. Chegou às 9h30 e só descobriu o imprevisto dentro do parque. "Depois da visitação, um organizador me deu dois convites de graça para compensar o transtorno", contou.

Já para a família Elias, a espera valeu a pena. "Viemos de Ribeirão Preto e, tirando o atraso, a apresentação está nota dez", afirmou José Elias, 55, que levou a esposa e o filho de oito anos para verem os dinossauros de perto.

Preço alto
Diógenes Muniz
Edivaldo Fernandes não pôde entrar na exposição
Edivaldo Fernandes não pôde entrar na exposição


Mesmo depois de abertos os portões, nem todos que foram ao parque Ibirapuera conferiram a mostra. Caso do motorista de caminhão Edivaldo Fernandes, 38, que decidiu adiar o passeio de seus dois filhos, sobrinho, cunhada e esposa. "O negócio deve ser bem bacana, mas daria R$ 64, sem contar os lanches da criançada. Fica pra outro dia", explicou.

De terça a sexta-feira, o ingresso custa R$ 16 e, aos sábados, domingos e feriados, R$ 20 --estudantes com carteirinha pagam metade. Para crianças de até cinco anos, maiores de 65 e aposentados a entrada é franca. O evento fornece ainda entrada e transporte gratuito para escolas públicas que agendarem visita.

Picasso x Dinos

Durante os três meses de exibição planejados, os organizadores da exposição prevêem atingir o recorde da Oca no item visitantes: um milhão.

A marca mais alta ainda é da retrospectiva do pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973), realizada durante cinco meses, em 2004. Mais de 900 mil pessoas visitaram as obras naquele ano.

Para ultrapassar Picasso, a duração inicial da "Dinos na Oca" poderá ser estendida. "O que dificulta é que todos os acervos já estão com datas negociadas, mas essa possibilidade [de prolongar] não está descartada", explica Everaldo Ramos, representante da empresa Grey Sociallink, uma das responsáveis pela organização do evento.

Serviço
Onde: pq. Ibirapuera - pavilhão da Oca (av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, região sul)
Quando: Terça a sexta: 9h às 21h. Abertura 26/1. Até 30/4
Quanto: R$ 16 (terça a sexta, das 10h às 17h) e R$ 20 (feriados, sábados e domingos). Estudante com carteirinha paga meia.
Ingresso família (dois adultos e duas crianças de até 12 anos): R$ 40 (terça a domingo, das 9h às 21h) e R$ 50 (feriados, sábados e domingos)
Entrada franca: para menores de até 5 anos, portadores de deficiência, aposentados ou maiores de 65 anos.
Onde comprar: Bilhetes podem ser adquiridos pela internet ou por telefone pela Ingresso Fácil (www.ingressofacil.com.br, tel. 4003-2245). Aceita cartão de crédito Mastercard. Estacionamento grátis

Leia mais
  • Saiba mais sobre a história dos dinossauros
  • Primeiras descobertas sobre dinos começam na China
  • Fim dos dinossauros ainda é mistério para cientistas
  • Confira alguns filmes sobre dinossauros

    Especial
  • Veja galeria de fotos da exposição Dinos na Oca
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página