Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/01/2006 - 11h00

Record estréia "clone" do "Jornal Nacional"

Publicidade

LAURA MATTOS
da Folha de S.Paulo

O objetivo do novo "Jornal da Record", que entra no ar amanhã em torno de 20h30: dar ao telespectador a impressão de assistir ao "Jornal Nacional", de William Bonner e Fátima Bernardes. Afinal, a Record copiou o jornalístico da Globo em tudo o que pôde, mas não conseguiu o casal 20 para sua bancada.

A apresentação do "JR" ficará a cargo dos ex-globais Celso Freitas e Adriana Araújo. Eles substituem Boris Casoy, que não concordou com o projeto de "clonagem" e saiu da emissora no fim de 2005.

Divulgação
Divulgação
Mas não são só apresentadores que vão dar cara de Globo para o "Jornal da Record". O novo cenário é uma cópia do "JN", apesar de a emissora falar oficialmente que a "inspiração" veio de telejornais norte-americanos. Até a Redação ao fundo, que virou marca do "Jornal Nacional", estará no "JR". São poucas as mudanças, como a cor da bancada e a posição dos apresentadores. Dá até para brincar de procurar as diferenças.

A "clonagem" inclui também a equipe de reportagem. Em São Paulo, apenas um repórter do antigo "JR" será mantido, Celso Teixeira. Todos os outros foram garimpados na Globo, como Lúcio Sturm, Silvestre Serrano e a veterana Abigail Costa, entre outros.

E não é só na tela que o "JR" tem ar global. Com o valor do alto salário de Boris Casoy, foi possível contratar também produtores e editores de telejornais da Globo.

Douglas Tavolaro, 28, diretor de jornalismo da emissora, nega o projeto de clonagem. "A idéia não é fazer um clone do "Jornal Nacional". A gente quer ter um caminho próprio, com a cara da Record." Mas, em seguida, orgulha-se: "Montamos um time de jornalistas de primeira, todos da Globo. Entre produtores e editores, tiramos oito profissionais deles".

Segundo Tavolaro, a Record fez "um ataque a Pearl Harbor [bombardeio do Japão nos EUA, em 1941]" para tentar contratar globais. "Convidamos vários de uma vez para dar menos tempo para a Globo cobrir as propostas."

O "JR" terá correspondentes em Tóquio, Jerusalém e em alguma capital africana, a ser definida, além de Londres e Nova York.

Igreja

Homem de confiança da Igreja Universal, que controla a Record, o jovem Tavolaro ganhou poder com a saída de Boris Casoy. Antes, o "Jornal da Record" era uma "ilha" na emissora, não subordinado à direção de jornalismo.

O novo diretor não quer mais um telejornal opinativo, como era com Casoy. Segundo ele, a intenção é ganhar "agilidade". "Com todas as mudanças do jornalismo da Record, a proposta editorial do antigo "JR" acabou destoando. Estava um pouco aquém dos outros telejornais, que são mais dinâmicos e modernos."

As reportagens serão mais curtas e o "clone" do "JN" dificilmente começará com notícias densas e complicadas para o Hommer (personagem um tanto alienado dos Simpsons, usado por William Bonner nos bastidores para definir o telespectador médio).

O plano é aproveitar a boa fase de "Prova de Amor", que antecede o "JR" na programação. A novela das sete tem registrado médias perto de 20 pontos (já empatou com o "JN"), mas o "JR" derruba para, no máximo, sete pontos. A partir de amanhã, com a repaginação, a Record quer subir a média para mais de dez, o que também facilitaria a estréia de "Cidadão Brasileiro", em março. Afinal, "clone" da Globo que se preze não pode deixar de ter uma novela das oito forte.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página