Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/04/2006 - 10h11

Depois do APCA, "Por Elise" leva prêmio Shell de Teatro

Publicidade

da Folha Online

Depois de vencer o APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes) de 2005 na categoria melhor dramaturgia, a diretora Grace Passô venceu nesta terça-feira, com "Por Elise", o 18º Prêmio Shell de Teatro São Paulo na categoria autor.

Lenise Pinheiro/Folha Imagem
Cena de "Por Elise", com Grace Passô em cena
Cena de "Por Elise", com Grace Passô em cena
Eleita pela Folha um dos melhores espetáculos do Fringe (mostra paralela do Festival de Curitiba) de 2005, a peça mineira "Por Elise" fez curtíssima temporada em São Paulo, no Sesc. O espetáculo é o primeiro da Cia. Espanca!. Na peça, Grace Passô, 24, é diretora, autora e atriz --ela divide o palco com mais quatro atores.

O texto retrata os encontros e desencontros entre vizinhos e aborda a procura por proteção e segurança. Em cena, surgem personagens como uma dona-de-casa que plantou um abacateiro no quintal e agora se atemoriza com a queda dos frutos.

O outro grande vencedor da noite foi "Oração para um Pé-de-chinelo", texto do maldito Plínio Marcos, que levou nas categorias ator (prêmio para Norival Rizzo) e atriz (Denise Weinberg, que também ficou com o APCA neste ano). Escrita em 1969 e censurada até 1979, a peça relata o conflito entre uma prostituta e dois bandidos num barraco.

Divulgação
Escrita por alemã, peça ganhou versão em português
Escrita por alemã, peça ganhou versão em português
Também ficou com dois troféus "Os Sertões - a luta: primeira parte": cenário (Osvaldo Gabrieli) e especial (Elisete Jeremias, pela direção de cena). A epopéia euclidiana de José Celso Martinez Corrêa, 68, começou em 2002, com adaptações de blocos do livro de 1902 lançado por Euclydes da Cunha (1866-1909) sobre a guerra de Canudos.

O prêmio de melhor diretor saiu para Rodolfo García Vázquez, por "A vida na Praça Roosevelt", texto da dramaturga alemã Dea Loher que pela primeira vez ganhou uma versão para o português, encenada pela companhia de teatro Satyros --curiosamente, a sede do grupo fica no centro de São Paulo.

Gianfrancesco Guarnieri foi o homenageado especial desta edição por sua contribuição ao teatro brasileiro. Os vencedores receberam uma escultura em metal do artista plástico Domenico Calabroni, com a forma de uma concha dourada (inspirada no logotipo da Shell), e uma premiação individual de R$ 8 mil.

Confira a lista completa de vencedores em São Paulo:

Autor
- Grace Passô, por "Por Elise"

Diretor
- Rodolfo García Vázquez, por "A vida na Praça Roosevelt"

Ator
- Norival Rizzo, por "Oração para um Pé-de-chinelo"

Atriz
- Denise Weinberg, por "Oração para um Pé-de-chinelo"

Cenário
- Osvaldo Gabrieli, por "Os Sertões - a luta: primeira parte"

Figurino
- Claudia Schapira, por "O que eu entendi do que o Tom Zé disse"

Iluminação
- Beto Bruel, por "Avenida Dropsie"

Música
- Dagoberto Feliz, por "El dia que me quieras"

Categoria Especial
- Elisete Jeremias, pela direção de cena de "Os Sertões - a luta: primeira parte"

Leia mais
  • "Toda Nudez Será Castigada" vence Prêmio Shell do Rio

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Prêmio Shell
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página