Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/08/2006 - 10h11

Compositor e saxofonista Moacir Santos morre em Los Angeles

Publicidade

da Folha Online

O brasileiro Moacir Santos, que fez carreira dentro e fora do país como saxofonista, compositor, arranjador e maestro, morreu no domingo (6) aos 80 anos na Califórnia (EUA), onde morava há cerca de 40 anos. Ele estava internado desde a última sexta-feira em conseqüência de um derrame.

Divulgação
Moacir Santos morreu nos EUA aos 80 anos
Moacir Santos morreu nos EUA aos 80 anos
Conceituado no meio jazzístico e conhecido no exterior por disseminar a bossa nova e a MPB, Santos ganhou recentemente o Prêmio Shell de Música. No exterior, o músico viu sua carreira voltar à tona recentemente, após assinar com a Adventure Music. Pela gravadora, lançou "Ouro Negro" e "Choros & Alegria", que receberam boas críticas.

Santos já foi citado por outros músicos brasileiros com trabalho nos Estados Unidos e Europa --entre eles, Sergio Mendes e Dori Caymmi-- como uma grande influência. Alguns o chamavam de "Duke Ellington brasileiro". Baden Powell, que morreu em 2000, era uma espécie de pupilo do maestro.

Moacir Santos nasceu no sertão de Pernambuco e começou a tocar clarinete aos 11 anos. Estudou com Hans Joachim Koellreutter e Radamés Gnatalli. Sua música integrou a trilha sonora de diversos filmes, entre eles "Ganga Zumba" (1963), de Carlos Diegues, "Seara Vermelha" (1964), de Alberto D'Aversa, "O Santo Módico" (1964), de Robert Mazoyer, "Os Fuzis" (1964), de Ruy Guerra, e "O Beijo" (1965), de Flávio Tambellini.

O corpo do músico será enterrado em Los Angeles. Ouça músicas de Moacir Santos na Rádio UOL.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Moacir Santos
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página