Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/08/2006 - 21h57

Escritores israelenses pedem cessar-fogo no Líbano

Publicidade

da Ansa, em Tel-Aviv

Três escritores israelenses fizeram um pedido ao governo do país para um cessar-fogo no Líbano antes que a situação "termine num abismo".

Os escritores israelenses Amos Oz, Avraham B. Yehoshua e David Gorssman pediram ao governo israelense para responder de maneira positiva às propostas do primeiro-ministro libanês, Fouad Siniora, para um cessar-fogo.

"É um chamado extremo, antes que a situação termine num abismo", disse David Grossman.

Siniora propôs enviar o Exército libanês ao sul do país para que Israel se retire do território e suspenda a ofensiva militar contra o país, que provocou a morte de pelo menos mil civis.

A decisão do governo israelense de ampliar a ofensiva militar terrestre até o rio Litani --e talvez até Nabatye e Arnun, perto da fronteira-- também alarmou dois grupos de esquerda: a organização não-governamental "Paz Agora" e o partido de esquerda Meretz. No início da ofensiva, ambos justificavam as ações militares no Líbano.

Os escritores explicaram que seu objetivo é apresentar à opinião pública a urgência da situação no Oriente Médio.

"Nosso chamado não é dirigido a este ou àquele ministro, mas a todo o governo".

Leia mais
  • Israel toma cidade-chave no Líbano, Hizbollah lança 70 foguetes
  • Celso Amorim viaja ao Líbano na próxima terça-feira

    Especial
  • Leia mais sobre a Guerra no Oriente Médio
  • Veja fotos da atual onda de violência entre Israel e Líbano
  • Enquete: tropas libanesas podem barrar a violência entre Israel e Hizbollah?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página