Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/08/2006 - 09h12

Filme registra dom Helder como líder progressista da Igreja

Publicidade

CHRISTIAN PETERMANN
do Guia da Folha

Há documentários que se sustentam por seu objeto de estudo, já que não propõem discussões estéticas. É o caso de "Dom Helder Câmara - O Santo Rebelde", projeto acalentado há muito pela cineasta Érika Bauer. Ela partiu da biografia escrita por padre Reginaldo, também um dos entrevistados, que atiçou sua curiosidade a respeito desta figura vital tanto na ala progressista da Igreja Católica quanto como resistência à ditadura militar.

Fruto de uma pesquisa rigorosa e exaustiva, Bauer dispôs de imagens raras de arquivos nacionais e internacionais, que recuperam para espectadores mais jovens os eloqüentes discursos de dom Helder, morto em 1999. Homem do povo e para o povo, ele sempre foi muito lúcido em sua campanha contra qualquer injustiça. Forte ponto de apoio no elogio à sua figura pública, por exemplo, são os depoimentos de Leonardo Boff.

Se o filme assume relevância cívica, é também uma obra de cega veneração. Perde-se um pouco da humanidade de dom Helder pela imagem quase imaculada que o documentário suscita. Mas numa época tão carente de modelos sócio-políticos, destacar a vida deste "santo rebelde" só traz ganhos.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre dom Helder Câmara
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página