Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/02/2007 - 15h26

Tóquio protesta contra biografia não-autorizada de princesa Masako

Publicidade

da France Presse, em Tóquio

O governo japonês protestou oficialmente nesta terça-feira contra uma biografia não-autorizada, feita por um jornalista australiano, da princesa Masako, 43, esposa do príncipe herdeiro, Naruhito.

Toshiyuki Aizawa/Reuters
Princesa Masako acena ao celebrar Ano Novo no Palácio Imperial
Princesa Masako acena ao celebrar Ano Novo no Palácio Imperial
Ao considerar que o livro escrito por Ben Hills, um jornalista especializado em investigações, contém "afirmações desprovidas de fundamento", o governo pede "correções e desculpas" por parte do autor e da editora Random House (www.randomhouse.com), afirmou um porta-voz do ministério japonês de Assuntos Exteriores.

Em "Princesa Masako, prisioneira do Trono do Crisântemo", Hills tenta elucidar as causas dos problemas de saúde da princesa Masako, uma personagem muito presente na imprensa japonesa há três anos devido a uma grave depressão.

Fruto de longos meses de investigação, o livro foi publicado em novembro na Austrália e depois nos Estados Unidos. A versão japonesa será publicada no país em março.

No livro, Hills afirma que Masako teve de se submeter a um tratamento hormonal para dar à luz (em 2001, após inseminação artificial) a uma menina, Aiko, nove anos depois do casamento.

O autor cita a escolha, em 2000, de um grande especialista em fecundação, o médico Osamu Tsutsumi, para liderar a equipe médica do palácio. Hill se baseou nas declarações não-confirmadas do médico.

A princesa Masako começou a retomar progressivamente os compromissos oficiais, mas deve, no entanto, seguir tratamento médico, segundo fontes médicas.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre a princesa Masako
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página