Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/09/2002 - 16h25

Veja entrevista com o guru de software livre Richard Stallman

da Folha Online

Cabelos e barbas longas. Simpático, mas absolutamente direto. Tem-se por injustiçado. Mais que um simples especialista em computadores, Richard Stallman, um dos fundadores do projeto GNU/Linux, é um porta-voz da ideologia que permeia o movimento do software livre.

Stallman conferiu hoje uma palestra em São Paulo à convite da prefeitura, que passou a adotar o sistema GNU/Linux em seus telecentros —laboratórios de informática que oferecem treinamento gratuito para população de baixa renda.

Com a medida, a prefeitura da cidade deve economizar até R$ 2,5 milhões no ano que vem. Já neste ano, a economia deve chegar a R$ 500 mil.

"Essa é uma campanha pela liberdade", disse o guru em entrevista exclusiva à Folha Online. Confira os melhores trechos:


O que é o GNU e quais os seus objetivos?
GNU é o nome dado para um sistema operacional de código aberto que começamos a desenvolver em 1984.


GNU e Linux são a mesma coisa?
Linux é um kernel escrito por Linus Torvalds em 1991 [o kernel é o componente de um sistema operacional que transfere os recursos do computador para os outros programas rodados pela máquina]. O Linux é um software livre criado sob a licença GNU (General Public Licence), desenvolvida para o uso de componentes baseados no GNU.

Na ocasião, o GNU estava quase pronto, faltando apenas o kernel. Então as pessoas integraram o GNU ao Linux para conseguir um sistema operacional completo. Injustamente, deram a essa combinação o nome de Linux, ainda que ela fosse muito mais GNU do que Linux
propriamente dito.


O software livre já existia quando o GNU foi criado?
Desde o surgimento dos primeiros computadores, programadores já modificavam e compartilhavam códigos de software. Porém, na década de 60, muitos programas começaram a se tornar proprietários e a cooperação foi por água abaixo.

Na década de 70, quando eu comecei a programar, encontrei uma comunidade de programadores no Laboratório de Inteligência Artificial do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachussets). Todo o sistema operacional utilizado por eles era composto de software livre. Então fui contratado para ajudar no desenvolvimento daquele sistema e, ao fazer esse
trabalho, tornei-me um bom desenvolvedor de sistema operacional.

Com o desaparecimento dessa comunidade no início da década de 80, decidi criar uma outra semelhante. O GNU então chegou a essa comunidade.

Em 1971, era necessário ir até a Cambridge para participar de uma comunidade como essa. Agora, tudo o que se precisa é de um computador rodando o GNU/Linux. A oportunidade antes de poucos, quando um computador poderoso custava milhões de dólares, agora está disponível para muito mais gente, graças ao software livre.


Quanto tempo levará para que o GNU/Linux chegue ao PC?
Não posso prever o futuro. Não sei quanto sucesso teremos em estabelecer a liberdade para os usuários de computadores ou quanto tempo isso levará.

Essa é uma campanha pela liberdade. Ao invés de perguntar quando alcançaremos a vitória, a pergunta deveria ser como posso ajudar. Uma vez que a vitória da liberdade depende de quanto você ajudará.


Que motivos levariam uma corporação ou usuário doméstico a migrar para o GNU/Linux?
Ao usar o GNU/Linux ou outro software livre, você tem a liberdade de fazer com que o sistema faça aquilo que você precisa. Os softs proprietários restringem e controlam o que se pode fazer em um computador. Esse é um motivo muito importante.

Existem, evidentemente, razões secundárias. O GNU/Linux é muito confiável e mais eficiente, além de ser muito mais barato. Com o software livre você pode dizer: "claro, dou uma cópia para você", sem culpa ou medo.


O software livre afeta a empregabilidade da indústria de software?
Não sabemos se o GNU/Linux significaria o aumento ou a redução de empregos. O uso de software livre certamente reduziria o número de empregos em empresas como a Microsoft. Mas também criaria vagas para serviços de configuração e adaptação do software livre
em corporações. Qual fenômeno seria maior? Isso ainda é uma dúvida.

Como os desenvolvedores de GNU/Linux ganham dinheiro?
A maioria dos desenvolvedores são voluntários e têm um serviço paralelo. Algumas vezes o outro emprego é no campo da informática, outras não.

Porém, também existe uma série de desenvolvedores de software livre que recebem para fazer isso. Alguns trabalham para universidades, outros para empresas que comercializam cópias de GNU/Linux ou que oferecem suporte para companhias que adotam o software livre.

Além disso, o governo costuma investir muito no desenvolvimento desse tipo de software.


Quais as maiores vantagens e desvantagens do sistema operacional GNU/Linux?
A maior vantagem é ética e social: é um software livre, que permite a cooperação e compartilhamento entre usuários. O maior problema é o fato de termos que convencer os usuários do Windows a migrarem para o GNU/Linux.

Entretanto, o nosso serviço enfrenta diversos outros problemas atualmente. Nos Estados Unidos, temos dois obstáculos legais. Um deles é a "Digital Millennium Copyright Act" [lei de direitos autorais do país, que contempla a internet], que proíbe que um software livre execute
um DVD ou leia um e-book. Os EUA estão tentando usar a Alca para tentar impor essa lei também no Brasil e outros países. É claro que a Alca faz outras imposições injustas e mais prejudiciais; para manter sua democracia, o Brasil deve rejeitar a Alca.

O outro obstáculo legal é o fato de idéias relacionadas a software poderem ser patenteadas.
Assim, qualquer desenvolvedor de software pode ser processado se escrever um programa que contenha qualquer idéia patenteada. Uma vez que a maior parte dos programas combina centenas de idéias já conhecidas, criar um sistema operacional significa que você tem grandes chances de ser processado.


Qual a importância do Brasil para a comunidade GNU/Linux?
Nossa comunidade é mundial. Em geral, nenhum país é particularmente importante. Porém, o Brasil é uma exceção. É um país com grande entendimento do software livre como uma questão ética e social —o único país ao qual o Brasil pode ser comparado é a Índia.


Alguns usuários reclamam da compatibilidade do GNU/Linux com certos itens de hardware. Essa seria uma desvantagem do sistema livre ou um problema ligado ao fato de fabricantes, que não revelam informações para a criação de drivers?
O fato de alguns fabricantes de hardware não revelarem como usar seus produtos, ainda que os tenham vendido para você é um grande problema. Para desenvolver um driver livre, é preciso saber como controlar o equipamento. Isso significa estudar e decifrar os sinais que passam entre o computador e o equipamento.

Seria muito útil se alguns países estabelecessem leis que obrigassem as empresas a publicar as informações e disponibilizá-las para seus consumidores. Os EUA já estão considerando essa lei entre os fabricantes de computadores de bordo de automóveis para assegurar que todos os mecânicos sejam capazes de lidar com isso.


O GNU/Linux é melhor do que o Windows? Por quê?
O GNU/Linux é melhor que o Windows porque ele respeita a liberdade e incentiva colegas a compartilharem conhecimentos. É melhor do que o Windows social e eticamente. Tecnicamente, ele tem vantagens e desvantagens em relação ao Windows, mas isso é o que
menos importa.


Você usa Windows? O que acha dele?
É contra os nossos princípios éticos usar aplicativos proprietários em nossos computadores. Por isso, não tenho sequer uma cópia do Windows.


Algumas pessoas pensam duas vezes antes de adotar o GNU/Linux por causa da falta de software para tarefas específicas, como a edição de áudio, vídeo e gráficos. Existe mesmo essa escassez de soluções?
Depende muito de qual a tarefa específica que o usuário precisa. Temos softs muito bons para algumas tarefas. Para outras, não.

Uma vez que o nosso objetivo é ter e dar liberdade, não basta ter uma aplicação para uma serviço específico. O aplicativo deve ser software livre também, assim como o sistema. o nosso diretório de software livre tem atualmente mais de 1700 pacotes. Todos eles rodando GNU/Linux.


Dá para comparar Bill Gates, Linus Torvalds e você?
Gates é um homem de negócios e seu objetivo é ganhar dinheiro. Não importa quanto dinheiro ele ganha das pessoas, nunca está satisfeito. o objetivo dele junto aos políticos é conseguir a restrição de leis para que possa ganhar ainda mais dinheiro.

Torvalds é um programador, um hacker. Embora ele prefira ganhar dinheiro a estar quebrado, acredito que ele goste mais de programar do que de dinheiro. Ele não está interessado em questões políticas e tenta evitá-las.

Eu sou um programador e estou preocupado com questões políticas. Eu também preferiria ganhar dinheiro a estar quebrado, também prefiro programar à ganhar dinheiro, mas o que realmente quero é vencer a batalha pela liberdade e cooperação, uma batalha contra a dominação.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página