Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/03/2005 - 08h34

Garoto faz clipe e vira celebridade virtual

Publicidade

MARIANA BARROS
Colaboração para a Folha de S.Paulo

Cômica, constrangedora, bizarra. Não faltaram adjetivos para a performance on-line de Gary Brolsma, um garoto norte-americano de 19 anos que filmou a si mesmo entoando e dançando a canção pop "Dragostea Din Tei", do trio romeno O-Zone.

A dublagem de Brolsma é caprichada, cheia de caretas para acompanhar a letra. A melhor parte fica por conta da coreografia em que levanta os braços e chacoalha a cabeça, batizada por ele mesmo de "Numa Numa Dance".

Calcula-se que o clipe tenha sido visto por mais de 2 milhões de pessoas. O sucesso começou em dezembro de 2004, quando o site newgrounds.com publicou o link para a gravação. Não demorou para que Brolsma alcançasse o estrelato.

Os canais de TV norte-americanos CNN e VH1 transmitiram a performance, a NBC quis levá-lo ao programa "Today Show" e o jornal "The New York Times" tentou entrevistá-lo. Em vão. Brolsma não quer aparecer na mídia, pois, segundo sua família, ele está assustado com a repercussão do vídeo e muito envergonhado.

Em visita ao Brasil, o professor de antropologia cultural da Universidade de Roma, Massimo Canevacci, falou à Folha sobre o episódio. Segundo ele, ao contrário do que ocorre em outras mídias, as pessoas que se tornam celebridades pela internet nem sempre desejam isso.

"Quem se expõe na rede é movido por um instinto não narcisista, mas criativo" explicou. "Quer reelaborar algo que viu, ouviu ou leu. A internet é uma mídia de mão dupla, em que somos observadores e realizadores ao mesmo tempo", disse.

Broslma é um bom exemplo dessa duplicidade. Se, por um lado, ele se baseou em uma música já existente para criar algo inédito, por outro, o seu vídeo inspirou dezenas de imitadores.

Segundo o webmaster do site newgrounds.com, Tom Fulp, desde a publicação do vídeo ele não parou de receber paródias. Uma das mais recentes mostra uma classe de estudantes cantando uníssonos em romeno enquanto fazem a estranha coreografia. Outra versão disponível na rede mostra um clipe feito com peças do brinquedo Lego (www.big-boys.com/articles/dudelipsync.html).

"Dragostea Din Tei", a música que inspirou Brolsma, tornou-se hit durante o último verão europeu e ficou várias semanas no topo das paradas --algo incomum para uma música não cantada em inglês.

Além de vídeos, pipocaram adaptações locais. No site www.fanclub.ro/archive/index.php/t-10939.html, há dezenas de versões para a letra original. Ela é traduzida para o polonês e para o russo, e comentada por internautas de várias nacionalidades.

No Brasil, a canção foi adaptada pelo cantor Latino, que aproveitou o ritmo para criar o hit "Festa no Apê". O significado da letra brasileira nada tem a ver com o da romena, a começar pelo título, que originalmente quer dizer "O Amor sob a Tília". Mas isso é o que parece menos importar.

Segundo a fornecedora de conteúdo para celulares Takenet, foram feitos, apenas no mês de fevereiro, 534.442 downloads de campainhas de "Festa no Apê" e 36.672 de "Dragostea Din Tei".

Para o professor Canevacci, a teia costurada em torno da canção é um exemplo de "tecnosincretismo", conceito que usa para caracterizar o cruzamento entre as esferas individual e pública, local e global, próprias da cultura digital.

Não se sabe exatamente o que determinou o sucesso da performance, mas, depois de assistir ao clipe, resistir a enviá-lo aos amigos é praticamente impossível.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre blogs
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página