Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/06/2006 - 06h19

Programa da Microsoft detecta Windows pirata e adverte usuário

Publicidade

FAUSTO SALVADORI FILHO
da Folha Online

"Esta cópia do Windows não é original. Você pode ter sido vítima de falsificação de software." A mensagem em português, que passou a pipocar nas telas de muitos computadores no Brasil, surpreendeu nesta semana alguns usuários do sistema operacional Windows XP.

A mensagem, que aparece na inicialização do computador, leva a uma janela que adverte: "Clique em Obter Original agora para receber mais informações e solucionar esse problema". Ao clicar na janela, o usuário do Windows pirata é levado a uma página da Microsoft, empresa fabricante do Windows, e convidado a comprar uma versão legalizada do programa.

Depois de reinicializado o computador, um ícone deste aviso se mantém na parte inferior da tela. "Para desabilitar o programa, basta abrir a ferramenta de notificações que se encontra na barra de ferramentas do Windows", explica a Microsoft.

Segundo a empresa, este alerta faz parte do programa WGA (sigla em inglês para Programa de Vantagens do Windows Original) e sua instalação é opcional. Muitos dos usuários que se surpreenderam com a mensagem podem ter dado um "sim" quando questionados, durante o processo de atualização de segurança, se queriam participar do programa que verifica a autenticidade do sistema operacional.

Lançado pela Microsoft em julho do ano passado, o WGA inicialmente barrou o acesso dos usuários de cópias ilegais do Windows a uma série de serviços, como baixar programas e plug-ins gratuitos da empresa ou receber atualizações do Windows --com exceção das chamadas "atualizações críticas", sem as quais o sistema pode se tornar bastante vulnerável a vírus.

Numa segunda etapa, o WGA começou a oferecer, juntamente com as atualizações críticas do Windows, a opção para os usuários serem notificados sobre a autenticidade do software. Estas notificações começaram a ser instaladas nos computadores norte-americanos no final de abril e agora chegam ao Brasil.

Privacidade

A novidade pegou de surpresa mesmo profissionais experientes de informática. "No começo, pensei que fosse um vírus", conta o gestor de sistema de informações Fernando Ortega, 27. Ele especula que o próximo passo da Microsoft, com o WGA, pode ser o de bloquear o funcionamento das versões pirateadas do Windows. "As cópias piratas de Windows XP estão com os dias contados", diz.

Nas lojas, o Windows legalizado dificilmente custa menos de R$ 400. Nos camelôs, uma cópia pirata pode ser comprada por menos de R$ 10.

O WGA é criticado por grupos que acusam a Microsoft de invadir a privacidade dos usuários. A empresa nega as acusações, afirmando que o processo de validação coleta apenas informações sobre o sistema para determinar se o software é original. "Ele não coleta ou envia quaisquer informações que possam ser usadas para identificar você ou contatá-lo", diz um comunicado.

Leia mais
  • Erramos: Programa da Microsoft detecta Windows pirata e adverte usuário
  • Ação antipirataria mantém anonimato do usuário, diz Microsoft
  • Pirataria de software causa prejuízo global de US$ 34 bilhões

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre pirataria de software
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página