Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/12/2006 - 09h01

Mundo virtual Second Life é gratuito, mas cobra por alguns serviços

Publicidade

FERNANDA CRANCIANINOV
da Folha Online

O que mais impressiona no Second Life --comunidade virtual 3D construída pelos seus residentes-- é a sua capacidade de renovação. A cada dia, centenas de pessoas se cadastram no jogo e criam seus avatares para explorar o Second Life (SL). Desde a abertura ao público, em 2003, o SL vem sofrendo uma explosão de crescimento, com um total de habitantes em mais de 2 milhões, originários de todo o mundo, segundo dados oficiais do site secondlife.com.

O usuário deve ter conexão em banda larga com a internet para explorar este mundo virtual. O internauta entra no site, faz o download de um software e cria seu avatar --um personagem parecido com um boneco, controlável pelo mouse e teclado-- que vai representá-lo no mundo digital.

Reprodução
Terras no Second Life
Terras no Second Life
A próxima etapa é descobrir um vasto continente digital com pessoas, entretenimento, experiências e oportunidades financeiras. Explorando o SL, o internauta poderá encontrar um bom local de terras para construir uma casa ou um negócio. A Linden Lab, empresa que administra o SL, baseada em San Francisco (EUA) vem criando novas terras para atender à atual demanda --em 2003 haviam 64 acres (559 quilômetros quadrados), ante os 65 mil acres atuais (263 mil quilômetros quadrados), que crescem em ritmo acelerado.

O usuário também estará cercado pelas criações de outros residentes. Os direitos de posse das criações são totalmente concedidos ao habitantes, que podem comprar, vender e negociar com outros membros.

No mercado do mundo virtual Second Life também giram milhões de dólares americanos em transações mensais. Este comércio funciona com uma moeda interna corrente, o Linden dollar, a qual pode ser convertida em dólares americanos em uma série de transações comerciais.

O que é pago

Se você quiser apenas passear pelo SL e observar como ele funciona, basta assinar uma conta básica gratuita. Mas algumas coisas custam dinheiro; como terras, mercadorias e serviços.

Se você estiver interessado em adquirir um terreno, então você terá de fazer um upgrade em sua conta, passando à condição de associado "premium" por US$ 9,95 mensais. Além dessa taxa, os proprietários de terras têm de pagar um imposto pelo seu uso (baseado na quantidade de terra que você possui). Essas taxas são pagas em dólares americanos. Os residentes podem comprar terras do SL, de outros residentes ou por leilão. O preço da terra freqüentemente depende de quanto o usuário construiu sobre ela. Um metro quadrado de terra vendido no mundo digital vale uma média de L$ 8 (cotação do mês de dezembro). A média de um terreno é de 512 m2

Se você quiser comprar mercadorias, você precisará de Linden dollars. A cotação média do Linden estava em torno de L$ 270 por US$ 1 em dezembro. Os residentes também podem comprar e vender serviços. Se você não tem tempo para manter sua vida social no SL pode até alugar um assistente pessoal ou um promoter de festas. Os residentes também podem comprar e vender Linden dollars no LindeX, a casa de câmbio oficial do Second Life.

Assista aos vídeos do SL no YouTube

O Second Life em números*:

US$ 626,184 é a quantidade de dinheiro gasta no SL nas últimas 24h
US$ 114,015 é a quantia movimentada no LindeX nas últimas 24h
L$ 270 é a quantidade de Linden que você pode comprar com US$1
13,8 mil é o total de estabelecimentos com fins lucrativos no SL até o fim de novembro
101% foi o percentual de crescimento de estabelecimentos com fins lucrativos de junho a novembro

*dados colhidos pelo CNNMoney.com, referentes a 7 de dezembro

Leia mais
  • Vírus e roubo de senhas ameaçam crescimento do Second Life
  • Seminário vende tour virtual por Second Life para marqueteiros
  • Avatar de Second Life consome tanta energia quanto um habitante do Brasil
  • Artistas contemporâneos se inspiram em Second Life
  • Second Life tem moeda, câmbio e mecanismos próprios para regular economia
  • Gays antenados invadem Second Life; leia destaques GLS

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Second Life
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página