Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/01/2007 - 09h29

Sensor de odores e arquitetura da orelha são próximos passos da biometria

Publicidade

DIÓGENES MUNIZ
da Folha Online

Em alguns anos, quando quiserem confirmar que você é quem afirma ser, irão medir sua orelha e cheirar seu corpo. Parecem até modos de um homem de Neanderthal, mas é tecnologia de ponta em desenvolvimento. A biometria --sistema de identificação a partir das características físicas e comportamentais-- já têm diferentes suportes e utilizações [confira]. Para o futuro, aposta-se em módulos ainda mais ousados, precisos e, para os críticos, perigosos.

Divulgação
Aparelhos que lêem a íris para controle de acesso estão cada vez mais freqüentes
Aparelhos que lêem a íris para controle de acesso estão cada vez mais freqüentes
Hoje, segundo analistas, não há um sistema melhor que outro. "Muitos fatores devem ser levados em conta na implantação, incluindo localização, riscos de segurança, tarefa [identificação ou verificação] e número esperado de usuários", explica Marcelo Epstein, especialista em biometria há quase uma década e diretor da Control iD.

No mercado biométrico, o principal faturamento ainda vem de aparelhos de reconhecimento de impressões digitais. Especialistas apontam, no entanto, que nos próximos anos esse tipo de plataforma deve ser ultrapassada, principalmente em sistemas segurança. Leitores da íris e das veias da mão entram com força na disputa.

"O reconhecimento de padrões de veias [na mãos] é um dos mais recentes e promissores métodos para identificação biométrica", avalia Dalton Luz, CEO da Politec, uma das maiores empresas privadas de serviços de Tecnologia da Informação do Brasil. Segundo ele, porém, o reconhecimento de íris ainda é o mais preciso.

Apesar de terem suas preferências, os estudiosos de biometria concordam em um ponto. "Com certeza, a partir de 2007, as aplicações vão aumentar e fazer parte do dia-a-dia de grande parte da população", diz Nelson Yassuo Osanai, diretor da Fujitsu, empresa que fornece aparelhos biométricos ao banco Bradesco.

Futuro
Divulgação
"Minority Report", com Tom Cruise, exibe biometria sombria em mundo da vigilância
"Minority Report", com Tom Cruise, exibe biometria sombria em mundo da vigilância


Por mais curioso que possa parecer, já estão em desenvolvimento e testes sensores de odores para fins biométricos. O "olfato eletrônico" seria programado para detectar partículas emitidas pelo próprio corpo e contornar "cheiros artificiais", como de perfume ou suor. No futuro, cientistas planejam usá-lo para traçar, por exemplo, o caminho feito por um criminoso na cena do delito.

Já o sistema que mapeia a arquitetura da orelha funcionará como o identificador facial. Será pouco invasivo, pois o rosto poderá ficar distante do sensor biométrico. Como ponto positivo, há a constatação de que a orelha pouco se modifica durante a vida. Tanto um quanto outro ainda devem demorar anos para chegarem ao mercado, segundo empresas especializadas.

Leia mais
  • Confira os principais métodos de identificação e a "biometria do futuro"
  • Entenda o que é e como funciona a biometria
  • Universidade mineira usa biometria para monitorar freqüência de alunos
  • Cinema fez da biometria coqueluche futurista e retrô
  • Confira 50 filmes que usaram cenas com biometria

    Especial
  • Leia mais no especial "Seu Corpo, Sua Senha"
  • Enquete: Dá para confiar na biometria?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página