Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/03/2007 - 18h09

Chefe do Pentágono tentou fechar prisão de Guantánamo

Publicidade

da Efe

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, quis fechar a prisão na base naval de Guantánamo, em Cuba, em suas primeiras semanas no cargo, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira pelo jornal americano "The New York Times".

O jornal cita altos funcionários do Pentágono (que falaram em condição de anonimato) para afirmar que Gates, que assumiu o cargo em dezembro passado no lugar de Donald Rumsfeld, queria fechar a prisão de Guantánamo.

11.fev.2007/AP
Robert Gates, secretário de Defesa dos EUA, tentou fechar prisão de Guantánamo
Robert Gates, secretário de Defesa dos EUA, tentou fechar prisão de Guantánamo
Em particular, o secretário de Defesa pretendia transferir para os Estados Unidos os julgamentos contra suspeitos de terrorismo. Segundo o jornal, Gates disse que a transferência daria mais credibilidade aos processos.

Além disso, Gates --como o apoio da secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice-- acreditava que a existência de Guantánamo prejudicava a guerra contra o terrorismo.

Os esforços do secretário de Defesa foram rejeitados depois que o procurador-geral de Justiça, Alberto Gonzales, e outros assessores legais do governo mostraram sua oposição à transferência dos julgamentos.

Bush negou os pedidos de Gates, mas, segundo o jornal, funcionários do Conselho de Segurança Nacional, o Pentágono e o Departamento de Estado continuam analisando as opções sobre a detenção dos suspeitos de terrorismo.

Atualmente, a prisão na base naval tem cerca de 385 presos, entre eles 14 supostos altos dirigentes da rede terrorista Al Qaeda.

Um alto funcionário citado pelo jornal disse que o debate no governo pode ser reaberto dependendo do que acontecer com Gonzales, que atualmente está no centro de um escândalo devido ao afastamento de oito procuradores federais.

Até o momento, os Estados Unidos expressaram sua intenção de denunciar judicialmente entre 60 e 80 detidos em Guantánamo, entre eles os 14 supostos altos dirigentes terroristas.

Leia mais
  • EUA afirmam que preso de Guantánamo admitiu culpa no 11/09
  • Pentágono aceitará depoimentos obtidos sob coação em Guantánamo
  • Prisão de Guantánamo completa cinco anos em meio a protestos
  • Guantánamo é prisão-modelo, diz autoridade dos EUA

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre os atentados de 11/09 nos Estados Unidos
  • Leia o que já foi publicado sobre terrorismo
  • Leia o que já foi publicado sobre Guantánamo
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página