Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/05/2007 - 08h25

Tony Blair anuncia que deixará governo britânico em junho

Publicidade

da Folha Online

Após dez anos à frente do governo do Reino Unido, o premiê britânico, Tony Blair, anunciou nesta quinta-feira que deixará o cargo no final de junho, logo depois que o Partido Trabalhista eleger um novo líder.

"Fui premiê deste país por mais de dez anos", disse hoje Blair a membros de seu partido. "Acredito que já seja o suficiente, não apenas para mim, mas também para o país. Deixarei o cargo em 27 de junho", afirmou.

Vestido com terno escuro, gravata vermelha, e em frente a um fundo vermelho com o slogan "Novo Trabalhismo, Novo Reino Unido", o premiê, de 54 anos, agradeceu a sua mulher, Cherie, e a seus quatro filhos o apoio durante seus dez anos de mandato.

Kirsty Wigglesworth/AP
Premiê britânico Tony Blair anuncia que deixará chefia de governo do Reino Unido em junho
Premiê britânico Tony Blair anuncia que deixará chefia de governo do Reino Unido em junho
"Voltei aqui a Sedgefield, minha circunscrição, onde começou minha viagem política e onde é adequado que termine", acrescentou Blair após o anúncio, ocorrido no Clube Trimdon, em Sedgefield, no Condado de Durham (norte da Inglaterra).

Blair tornou-se chefe de governo em 2 de maio de 1997, após vencer, no dia anterior, as eleições gerais por arrasadora maioria. Ele se tornou o líder trabalhista que obteve mais vitórias eleitorais, após ser reeleito em junho de 2001 e em maio de 2005.

Sua renúncia, que já era aguardada, deve permitir que outro líder trabalhista guie o partido nas próximas eleições nacionais no Reino Unido, previstas para 2009.

Seu mais provável sucessor é o Ministro das Finanças, Gordon Brown, que deve ser apontado como novo líder trabalhista. Pela lei britânica, com a indicação para a liderança partidária ele se tornaria automaticamente o novo premiê do Reino Unido.

Especula-se que Brown, cuja residência fica ao lado de Downing Street, aguardava com impaciência a renúncia de Blair. Críticos dizem que a rivalidade entre ambos atrapalhava o governo. O principal desafio do novo premiê será melhorar a imagem do partido, cuja popularidade cai a cada dia nas pesquisas de opinião entre os britânicos.

Blair, um dos principais aliados do presidente americano, George W. Bush, deixa o gabinete após uma década de administração marcada pelas críticas a seu apoio à Guerra do Iraque.

Além do papel no conflito no Iraque, Blair também deve ser lembrado por ter mediado o acordo de paz entre católicos e protestantes na Irlanda do Norte.

Após décadas de conflitos, o líder protestante Ian Paisley, do Partido Democrático Unionista (DUP), e o líder católico Martin McGuinness, do Sinn Fein, assumiram nesta terça-feira (8) os cargos de premiê e vice-premiê, respectivamente.

A presidente do Partido Trabalhista, Hazel Blears, comentou a saída: "Ele deixa o governo no momento em que escolheu, da maneira que queria, e ele tem o total direito de fazer isso".

Uma pesquisa publicada pelo jornal britânico "The Guardian" nesta quinta-feira indica que 60% dos britânicos dizem acreditar que a era Blair será lembrado como um tempo de mudanças, nem sempre positivas. Segundo o estudo, 44% afirmam que Blair foi "bom" para o país.

Com Efe e Associated Press

Leia mais
  • Tony Blair vai anunciar sua renúncia após 10 anos no poder
  • Conservadores voltam a ganhar popularidade entre britânicos
  • Erro de Blair foi achar que Bush era Clinton, diz FHC
  • Entenda como funciona a escolha do novo premiê britânico
  • Relação entre Blair e Brown foi marcada pela rivalidade

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Reino Unido
  • Leia o que já foi publicado sobre Tony Blair
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página