Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/06/2000 - 05h05

Coca-Cola, símbolo do capitalismo ocidental, chega à Coréia do Norte

Publicidade

da Folha de S.Paulo

Um dos maiores símbolos do capitalismo ocidental chegou à stalinista Coréia do Norte. A Coca-Cola mandou ontem um carregamento de refrigerantes para o país, tornando-se a primeira grande empresa americana a furar o bloqueio de uma das mais fechadas economias do mundo.

Como todas as companhias americanas, a Coca-Cola estava proibida de fazer negócios com a Coréia do Norte por causa das sanções econômicas mantidas pelos EUA desde o fim da Guerra da Coréia (1950-1953).

Na semana passada, o governo americano anunciou o relaxamento das sanções. O anúncio aconteceu poucos dias após o fim da reunião de cúpula entre os líderes das duas Coréias, na semana passada, que terminou com a assinatura de um acordo para a futura reunificação dos dois países, ainda sem data definida.

A Coréia do Norte era um dos únicos países onde a Coca-Cola, refrigerante mais popular do mundo, não era vendida.

"Esse é o primeiro passo para construir uma relação comercial", disse John Gustaveson, diretor de relações externas da Coca-Cola em Seul, capital sul-coreana.

Segundo Gustaveson, o carregamento entrou na Coréia do Norte em um caminhão proveniente da China e deverá ser distribuído para hotéis e mercados.

Moratória nos testes

O governo norte-coreano pediu ontem que os EUA levantassem as outras sanções ainda vigentes (venda de material bélico, por exemplo), oferecendo em troca a manutenção da moratória de testes de mísseis de longo alcance.

Leia mais notícias de política na Folha Online

Discuta esta notícia nos Grupos de Discussão da Folha Online
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página