Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/06/2007 - 12h43

Otan diz apoiar escudo antimísseis americano na Europa

Publicidade

da France Presse, em Bruxelas

Os ministros da Defesa da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) aprovaram tacitamente nesta quinta-feira, em Bruxelas, o projeto de escudo antimísseis americano na Europa, apesar da forte oposição de Moscou.

"Os aliados adotaram pela primeira vez uma posição comum, aceitando estudar até a cúpula de Bucareste de abril de 2008 as implicações políticas e militares da instalação do sistema antimísseis americano na Polônia e na República Tcheca", declarou uma autoridade da Otan.

Antes de uma reunião do Conselho Otan-Rússia com seu novo membro russo Anatoli Serdiukov, nenhum ministro da Defesa dos 26 aliados sugeriu "congelar" o projeto americano, como exige Moscou, segundo a mesma autoridade.

Washington anunciou em janeiro passado seu projeto de ampliar seu escudo antimísseis para o Leste Europeu, instalando um radar na República Tcheca e mísseis interceptores na Polônia, assim como um sistema de alerta no Cáucaso.

Mas os russos se opõem a esse plano e em resposta convocaram uma conferência extraordinária do Tratado de Forças Convencionais na Europa (CFE, em inglês) para revisar o equilíbrio de armas no velho continente, encontro que será concluído nesta sexta-feira em Viena.

Referendo

O presidente da República Tcheca, Vaclav Klaus, defendeu ontem a realização de um referendo sobre a instalação de um radar americano no país.

"Compartilho a opinião dos que acreditam que este tema deva ser objeto de um referendo", declarou Klaus durante um debate na cidade de Olomuc, no leste do país.

Os deputados tchecos aprovaram nesta quarta-feira um primeiro rascunho sobre a convocação de um referendo, uma situação que a lei nacional ainda não permite.

Já o presidente russo, Vladimir Putin, propôs na semana passada a Washington a utilização comum por russos e americanos de uma estação de radar já existente no Azerbaijão, como alternativa a seu projeto na Europa.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página