Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/07/2007 - 17h42

Presidente sérvio homenageia vítimas do massacre de Srebrenica

Publicidade

da France Presse, em Belgrado

O presidente sérvio, Boris Tadic, prestou homenagem nesta quarta-feira às vítimas de Srebrenica durante o aniversário do massacre, que ocorreu há 12 anos na região. Tadic também reafirmou a política da Sérvia de prender fugitivos culpados por crimes de guerra.

"Hoje, nós homenageamos as vítimas de Srebrenica", declarou o presidente sérvio em um comunicado que lembra o massacre de 8.000 muçulmanos em Srebrenica.

"Ao mostrar nosso respeito com as vítimas e nossa compreensão com a miséria dos outros, encontramos força para chegar à reconciliação sem a qual não pode haver uma melhoria nos Bálcãs", afirmou.

Tadic foi o primeiro presidente da Sérvia a visitar Srebrenica, em 11 de julho de 2005, para homenagear as vítimas muçulmanas na ocasião do 10º aniversário do massacre.

Cometido em julho de 1995 durante a guerra na Bósnia (1992-1995), este massacre é considerado o mais terrível na Europa desde a 2ª Guerra Mundial e foi considerado um genocídio pela justiça internacional.

Os principais suspeitos pelo massacre, os ex-chefes militares e políticos servo-bósnios Ratko Mladic e Radovan Karadzic, estão foragidos desde que foram acusados do genocídio em 1995 pelo Tribunal Penal internacional (TPI) para a ex-Iugoslávia.

"A Sérvia está cooperando voluntariamente com o TPI. (...) Esta não é nossa única obrigação internacional: nós devemos, antes de tudo, a nós mesmos, mas também a nossos vizinhos", disse Tadic.

A justiça sérvia condenou em abril quatro ex-paramilitares ligados ao massacre de Srebrenica a penas de até 20 anos de prisão.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Voltar ao topo da página