Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/07/2007 - 03h48

Morre aos 92 anos Zahir Shah, rei do Afeganistão por quatro décadas

Publicidade

da Efe, em Cabul

O ex-monarca afegão Zahir Shah, que reinou o Afeganistão durante quatro décadas, entre 1933 e 1973, morreu nesta segunda-feira, em Cabul, aos 92 anos, em decorrência de uma longa doença, informou a emissora privada de TV "Shamshad".

O rei Zahir desempenhou um papel importante ao aglutinar vários setores da população afegã implicados na reconstrução do país após a queda do regime taleban em 2001, embora sempre tenha deixado claro que não desejava uma restauração monárquica.

De etnia pashtun, assim como os talebans, Mohammed Zahir Shah nasceu em 15 de outubro de 1914, na capital afegã.

Com apenas 19 anos, chegou ao trono depois que seu pai, Nadir Shah, que reinou por apenas três anos, foi assassinado, em 1933.

O rei Zahir iniciou uma etapa de modernização após a 2ª Guerra Mundial, em que o Afeganistão se manteve neutro, e durante seu reinado foi promulgada a primeira Constituição da história do país, aprovada em 1964.

Em 17 de julho de 1973, enquanto se encontrava na Itália recebendo atendimento médico, o então monarca foi derrubado por um golpe de Estado orquestrado por seu primo e cunhado, o ex-primeiro-ministro Mohammed Dawoud.

Dawoud proclamou a República e expulsou o rei, que teve de se exilar em Roma e abdicar um mês mais tarde.

Zahir permaneceu no exílio italiano até 2002, quando retornou a Cabul para inaugurar a "Loya Jirga" (assembléia de notáveis), que escolheu Hamid Karzai como presidente do país.

Casado com Homaira Shah, teve nove filhos.

Acompanhe as notícias em seu celular: digite o endereço wap.folha.com.br

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página