Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/12/2007 - 08h30

Votação abre era de incerteza para Chávez

Publicidade

FABIANO MAISONNAVE
da Folha de S.Paulo, em Caracas

Prestes a completar nove anos no poder, o presidente da Venezuela, o esquerdista Hugo Chávez, enfrenta hoje um inédito desafio nas urnas para aprovar sua controvertida reforma constitucional, que encerra um ano inesperadamente turbulento para o governo.

A maioria das pesquisas divulgadas na semana passada mostra que, ao contrário das últimas nove eleições --entre referendos e disputas presidenciais e regionais--, Chávez e seus aliados não chegam ao final da campanha com uma vantagem clara. Praticamente todos os levantamentos dão uma vitória do "não" ou um empate técnico. A exceção é a Consultores 30-11, próxima do governo, que dá uma vantagem de 11 pontos percentuais ao "sim".

As pesquisas mostram também que, mesmo entre chavistas, há forte oposição à reforma, principalmente contra a implantação da reeleição indefinida só para presidente e mudanças na propriedade privada.

O diretor do respeitado instituto Datanálisis, Luis Vicente León, tem dito que essa desvantagem é a grande novidade da campanha eleitoral deste ano. Mas ele adverte que o governo tem mais poder de mobilização do que a fragmentada oposição, que só fez um chamado claro ao voto na reta final.

Tempos difíceis

O referendo é o último evento político importante de um ano especialmente difícil para Chávez, que um ano atrás comemorava uma vitória fácil nas eleições presidenciais, com mais de 60% dos votos válidos.

Logo após a vitória, Chávez deixou claro que sua proposta de "socialismo do século 21" não seria apenas retórica e anunciou uma agenda radical, que incluiu a criação do PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela), a nacionalização da principal empresa de telecomunicações, a Cantv, o fim da concessão da emissora oposicionista RCTV e uma ampla reforma constitucional.

A maior resistência inicial à agenda chavista foi uma inesperada rebelião na base: o partido Podemos se recusou a diluir-se no PSUV e, aos poucos, opôs-se também à reforma constitucional. E isso logo após conseguir, em dezembro, 759.826 votos à reeleição de Chávez (6,5% do total), sendo a segunda força do oficialismo.

A surpresa seguinte para Chávez foi a onda de protestos de estudantes universitários contra a não-renovação da concessão da RCTV, medida que, segundo pesquisas de opinião na época, era rechaçada pela maioria da opinião pública.

Assim como ocorreu com o Podemos, os estudantes fazem uma dura oposição à reforma constitucional, protagonizando protestos que muitas vezes terminaram em choques com policiais e chavistas.

A terceira surpresa desagradável para Chávez foi o rompimento do general da reserva Raúl Isaías Baduel, um colaborador antigo que até julho estava no comando do Ministério da Defesa. Recentemente, Baduel chamou a reforma de "golpe de Estado", transformando-se em um dos porta-vozes contrários às modificações.

Além desses desgastes políticos, Chávez também tem sido cada vez mais responsabilizado pelo problema de abastecimento no país, que já dura cerca de um ano e atinge produtos básicos, como leite e ovos.

Chávez tem negado as dificuldades e mantém a estratégia de vincular a oposição ao "império americano" e de concentrar a campanha em torno de sua figura -com cerca de 60% de aprovação, ele é bem mais popular do que a reforma.

"Os que votam pelo "sim" estão votando por Chávez, os que votam pelo "não" estão votando contra Chávez", disse ao encerrar a campanha.

Acompanhe as notícias em seu celular: digite wap.folha.com.br

Comentários dos leitores
Noel Samways (126) 02/02/2010 19h02
Noel Samways (126) 02/02/2010 19h02
Chavez gastou os petrodólares em propaganda, eleições dos vizinhos, armas e bobagens. Agora colhe o resultado de sua inépcia, imprevidência e desvio de recursos, pois não consegue nem ajudar o Haiti; torce pelo aumento do barril de petróleo, o que nos prejudicaria. De que lado das ruas de Caracas vamos ficar então? Ajudando Chavez? Ora... sem opinião
avalie fechar
leilah alves (11) 02/02/2010 18h29
leilah alves (11) 02/02/2010 18h29
Gente essa coisa que os governantes aspirantes a ditadores estão bebendo é o mesmo que essa sr.Eduardo faz uso...Ha muito não vejo tanta asneira nos blogs,O que tem haver Israel,EEUU com o que chaves está fazendo? Meu Deus ,o que é que é isso? sem opinião
avalie fechar
Daniel X (1) 02/02/2010 10h51
Daniel X (1) 02/02/2010 10h51
Ô Eduardo, em vez de escrever tanta besteira vê se volta para a escola. "Ofenciva" é demais, parece que estudou nas cátedras bolivarianas! 4 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (829)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página