Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/03/2003 - 13h08

Blix lamenta que não haja mais tempo para inspeções no Iraque

da Folha Online

O chefe dos inspetores de armas da ONU (Organização das Nações Unidas), Hans Blix, lamentou hoje que não tenha sido permitido mais tempo à sua equipe no Iraque para completar seu trabalho.

"Naturalmente sinto tristeza que nossos três meses e meio de trabalho no Iraque não tenham permitido obter a garantia que era necessária sobre a inexistência de armas de destruição em massa ou outros elementos proibidos no Iraque [...] e que não disponhamos de mais tempo para nossas inspeções e que uma ação armada pareça agora iminente", afirmou Blix ao Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas).

Enquanto os EUA e o Reino Unido se preparam para invadir o Iraque, o Conselho de Segurança se reuniu hoje para considerar o papel que assumirá a ONU ante a provável crise humanitária gerada pela guerra.

Cinco países, dos quais uma maioria crítica à ação militar contra o Iraque, estão representados por seus chanceleres na reunião, que começou com um discurso do secretário-geral da ONU, Kofi Annan.

EUA e Reino Unido se negaram a enviar seus chanceleres e estão representados por seus embaixadores na ONU.

O Conselho de Segurança não conseguiu entrar em acordo sobre um projeto de texto que discorre sobre a entrega da lista de tarefas de desarmamento que ainda faltam ser cumpridas no Iraque.

Os inspetores de armas da ONU, ordenados a deixarem o Iraque antes de uma iminente invasão dos Estados Unidos, deixaram sua sede em Bagdá ontem de manhã.

Um porta-voz da Unmovic (Comissão de Monitoramento, Verificação e Inspeção da ONU) disse que 134 estrangeiros, incluindo 56 monitores, deixaram o Iraque.

Ainda ontem, Blix disse ter dúvidas se o Iraque usará armas químicas ou biológicas contra a coalizão liderada pelos Estados Unidos, porque o mundo poderia se voltar contra Bagdá.

Segundo Blix, o Iraque tem o know-how para produzir e disseminar armas químicas, embora nunca tenha utilizado esse tipo de armamentos.

Com agências internacionais

Especial
  • Saiba mais sobre a crise EUA-Iraque
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página