Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/05/2009 - 08h35

Preocupado com o Irã, polêmico chanceler de Israel visitará Brasil

Publicidade

SAMY ADGHIRNI
da Folha de S. Paulo

Oito dias após o cancelamento da viagem a Brasília do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, o chanceler brasileiro, Celso Amorim, anunciou ontem que seu par israelense, Avigdor Liberman, visitará o país em julho.

Diante da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, Amorim também mencionou planos de visita do presidente de Israel, Shimon Peres, no segundo semestre.

A Embaixada de Israel confirmou os preparativos para receber Liberman, conhecido pela retórica dura contra a minoria árabe israelense e por rejeitar concessões aos palestinos.

O pedido para visitar o Brasil foi feito pela Chancelaria israelense à Embaixada do Brasil em Tel Aviv como parte de um esforço do governo de Israel para ampliar sua área tradicional de atuação diplomática.
Devido à intensificação dos laços com o Irã, a América Latina é a principal região contemplada pela estratégia.

Israel avalia que os governos esquerdistas de Venezuela, Bolívia, Nicarágua e Equador, aliados de Ahmadinejad, estão aliviando o isolamento imposto pelo Ocidente ao Irã por causa do seu controverso programa nuclear, suspeito de ter fins militares --o que Teerã nega.

O Estado judaico também teme que grupos armados como o libanês Hizbollah se beneficiem de uma rede de apoio financeiro na região.

A perspectiva de visita a Brasília de Ahmadinejad, que questiona o Holocausto e defende varrer o Estado judaico do mapa, alarmou Israel. A diplomacia israelense preza boas relações com o Brasil por considerá-lo um interlocutor e um parceiro comercial importante.

O iraniano anulou a visita na última hora devido ao acirramento das tensões domésticas que antecedem a eleição presidencial de junho, na qual ele buscará manter o cargo.

Teerã afirma que a viagem ao Brasil ocorrerá após o pleito --caso Ahmadinejad vença. Nas entrelinhas, Israel espera marcar território antes de uma eventual retomada dos planos de visita do iraniano.

Colaborou a Sucursal de Brasília

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página