Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
07/07/2009 - 18h04

Presidente do Irã volta a acusar Ocidente de interferir no país

Publicidade

colaboração para a Folha Online

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, voltou nesta terça-feira a acusar os países ocidentais de interferir nos assuntos internos do Irã e recriminou a atitude de seus adversários eleitorais.

Conheça os indícios da suposta fraude na eleição
Líder supremo está acima do presidente; entenda
Golpe e revolução marcam o último século no Irã
Correntes alternam-se na Presidência desde 1979

Em discurso transmitido pela televisão, ele denunciou que alguns iranianos atuaram em favor das ambições e das conspirações dos estrangeiros e contra os interesses do país.

"Infelizmente, algumas pessoas no interior do país colaboraram com eles. Repetiram as mesmas palavras que os países ocidentais", argumentou.

O presidente ressaltou que aqueles que denunciaram fraude na eleição de 12 de junho passado não ofereceram prova alguma dessas irregularidades.

Ahmadinejad insistiu em que "a participação em massa" do povo iraniano no pleito "foi mal recebida pelos poderes arrogantes" e pediu que a população se una agora que a questão eleitoral é um caso encerrado.

Ele foi reeleito com cerca de 63% dos votos contra 34% do principal líder da oposição, Mir Hossein Mousavi. A votação foi seguida por semanas de fortes protestos da oposição por fraude. Os protestos, enfrentados com violência pela polícia e a milícia Basij, ligada à Guarda Revolucionária, deixaram ao menos 20 mortos, dezenas de feridos e centenas de presos.

O Conselho dos Guardiães do Irã, órgão responsável por ratificar o resultado do pleito, aceitou fazer uma recontagem parcial dos votos para acalmar a oposição, mas confirmou a reeleição de Ahmadinejad depois de afirmar que a fraude em cerca de 3 milhões de votos não era suficiente para mudar o resultado das urnas.

Nesta segunda-feira à noite, Mousavi anunciou que prosseguirá com seus protestos "pela via legal" e insistiu em que o futuro governo de Ahmadinejad "carece de legitimidade".

"Devemos fazer todos os esforços a nosso alcance para prosseguir com nosso movimento de oposição, embora sempre dentro dos canais legais. Deve ser um trabalho em equipe e bem organizado", disse Mousavi.

O candidato derrotado publicou uma lista de irregularidades que teriam favorecido a inesperada reeleição de Ahmadinejad por uma surpreendente maioria absoluta.

Além disso, e apesar das ameaças oficiais, anunciou que não reconhecerá a legitimidade do próximo governo.

As alegações do líder opositor são apoiadas por diversas associações civis e religiosas pró-reformistas no Irã.

Com Efe e Associated Press

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Voltar ao topo da página