Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
24/10/2003 - 13h04

Concorde pousa em Londres em seu último vôo comercial

Publicidade

da Folha Online

O legendário supersônico Concorde pousou hoje no aeroporto Heathrow, em Londres, em seu último vôo comercial, fechando um dos capítulos mais glamourosos da história da aviação.

O avião da British Airways havia decolado do aeroporto JFK, em Nova York, com cem convidados a bordo, incluindo celebridades como a modelo americana Christie Brinkley e a atriz Joan Collins.

O Concorde, um projeto conjunto dos governos do Reino Unido e da França, começou seus vôos comerciais em janeiro de 1976. O supersônico havia realizado seu primeiro vôo de prova no dia 2 de março de 1969.

Considerado um "milagre" tecnológico e um símbolo do glamour do jet-set internacional, o Concorde voou 18 km acima da Terra a até 2.173 km/h, cruzando o Atlântico em cerca de três horas e meia. Com as cinco horas de diferença do fuso horário, passageiros chegavam em Nova York mais cedo do que haviam deixado Londres.

Britânicos e franceses esperavam vender centenas de Concordes, mas somente 16 foram construídos. Eles eram usados pelas companhias aéreas British Airways e Air France.

No dia 10 de abril passado, as duas companhias anunciaram o fim da exploração comercial do Concorde em razão do aumento dos custos de manutenção e do insuficiente número de passageiros em seus vôos. A Air France realizou seu último vôo com um Concorde no dia 31 de maio.

Um viagem transatlântica de ida e volta custava mais de US$ 9.000, bem acima do preço de uma passagem em primeira classe de um Boeing 747.

O Concorde também será lembrado pela tragédia do dia 25 de julho de 2000, quando um supersônico da Air France caiu pouco depois de decolar de Paris, deixando 113 mortos.

Depois de serem retirados de serviço, os Concordes serão expostos em museus.

Com agências internacionais

Especial
  • Saiba mais sobre o Concorde
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página