Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/02/2004 - 09h46

Saiba mais sobre o "muro de proteção" da Cisjordânia

Publicidade

da Folha Online

Os israelenses começaram a construir, em junho de 2002, entre Israel e a Cisjordânia um "muro de proteção" destinado a impedir ataques palestinos.

A construção do "muro de proteção" foi requisitada pela direita e esquerda israelenses, após a onda de atentados suicidas que atingiu Israel desde o início da segunda Intifada (revolta palestina contra a ocupação israelense) no final de setembro de 2000.

A idéia de construir um muro surgiu após o fracasso da Conferência de Camp David sobre o conflito israelo-palestino, em julho de 2000. A construção suscitou, desde o início, tensões políticas internas e muitas críticas palestinas e da comunidade internacional.

Para a esquerda israelense, a barreira deve respeitar o mais fielmente possível o traçado da "linha verde" entre Israel e a Cisjordânia --limite imposto por Israel após a Guerra dos Seis Dias entre israelenses e árabes, em 1967. Já a direita, encabeçada pelo primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, quer que divisão agrupe o maior número possível de colônias judaicas nos territórios palestinos.

O primeiro trecho da obra, com 147 km de extensão, foi concluído no dia 1º de agosto.

Com extensão prevista de 350 km, o "muro de proteção" deve cobrir do norte ao sul a "linha verde" e englobar também o setor oriental de Jerusalém, anexado por Israel desde 1967, e onde os palestinos pretendem construir um dia a capital do seu Estado.

O complexo defensivo deve ser alto em alguns pontos e ainda terá dispositivos eletrônicos capazes de detectar infiltrações, fossas antitanques e pontos de observação e patrulha.

Em certos lugares, como na região da cidade palestina de Qalqiliya, o "muro de proteção" chegaria à altura de oito metros. Em alguns pontos, a construção tem 45 metros de largura, que em outros pontos pode chegar a 75 ou 100 metros.

Prevê-se que a construção vá custar US$ 1 bilhão. Até agora, acredita-se que a obra defensiva já custou cerca de US$ 2 milhões ao Estado de Israel.

Com agências internacionais

Especial
  • Saiba mais sobre o conflito no Oriente Médio
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página