Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/02/2010 - 09h20

Instituto denuncia campanha mundial para negar legitimidade de Israel

Publicidade

da France Presse, em Jerusalém
da Folha Online

Um relatório do Instituto de Pesquisa Reut, em Tel Aviv, aponta que Israel enfrenta uma campanha mundial para negar sua legitimidade como Estado e que visa a isolar o país e ocultar seu caráter judeu e democrático. O relatório foi entregue ao gabinete do premiê Binyamin Netanyahu.

O documento, que faz uma análise de questões econômicas e sociais, critica principalmente as "manifestações hostis aos representantes israelenses em universidades estrangeiras ou nos estádios, pedidos de boicote aos produtos fabricados em Israel ou, inclusive, tentativas destinadas a deter e levar diante da justiça no exterior os dirigentes do Estado hebreu".

O instituto acusa uma "rede mundial" de indivíduos, associações e organizações não governamentais pró-palestinas, árabes ou muçulmanas, geralmente vinculadas à esquerda, de levar a cabo a campanha.

Segundo o documento, não há uma hierarquia ou comando geral nesta rede, que, contudo, trabalha sob uma mesma ideologia --apresentar Israel como um Estado pária e negar seu direito à existência.

A lista do Reut inclui Londres, Bruxelas, Madri, Toronto, San Francisco e a Universidade da Califórnia. Seus atores são, em geral, jovens, anarquistas, imigrantes e ativistas políticos radicais, que, embora não sejam muitos, aumentam seu poder de ação usando campanhas públicas e a cobertura da mídia.

Estes "'deslegitimadores'" cooperam ainda com organizações dedicadas ao criticismo em relação à política de Israel quanto a seus territórios --como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch-- e promovem atividades pró-palestinos na Europa como "tendência", diz o relatório, citado pelo jornal israelense "Haaretz".

O relatório diz ainda que os ativistas desta rede mundial não são em sua maioria palestinos, árabes ou muçulmanos. Eles são ativistas de esquerda europeus e norte-americanos, que refletem a visão da esquerda do Ocidente de que Israel é um Estado de ocupação --uma mudança, afirma o relatório, da visão que tinham nos anos 60 de que Israel era um Estado igualitário e uma sociedade socialista.

O instituto vai além e diz que, para estes ativistas, o modelo sionista de Israel pode ser derrubado como o regime de apartheid na África do Sul.

Reação

O "think tank", focado principalmente em questões econômicas e de segurança, pede ainda aos ministros que tratem o tema como uma questão de ameaça estratégica.

Segundo o Reut, Israel não está preparado para lidar com a ameaça da 'deslegitimização' e vê a área diplomática como menos importante que os esforços militares.

"O Ministério de Relações Exteriores é construído para os desafios dos anos 60 e não dos anos 2000", diz o documento. "Não há orçamentos, nem diplomatas suficientes ou doutrina diplomática apropriada", diz.

Reut recomenda ainda estabelecer uma rede de contra-ataque, na qual as embaixadas israelenses em centros de 'desligitimzação' sirvam como base para uma reação.

Para isso, Israel deve monitorar as atividades das organizações e estudar seus métodos. O gabinete deve ainda confrontar os grupos que tentam deslegitimá-lo, mas acatar aqueles engajados em criticismo legítimo. Boicotar os críticos, alerta, funciona apenas para empurrá-los rumo aos 'deslegitimadores'.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página