Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/03/2010 - 07h25

Ataque atribuído aos EUA mata ao menos quatro no Paquistão

Publicidade

da Folha Online

Ao menos quatro supostos insurgentes morreram nesta terça-feira e várias pessoas ficaram feridas em um ataque com mísseis atribuído aos aviões não tripulados dos Estados Unidos, no conflituoso cinturão tribal no Paquistão.

A agência de notícias Reuters, que cita autoridades e moradores locais, diz que ao menos dez insurgentes foram mortos no ataque.

Segundo a rede de televisão Dawn, ao menos um míssil atingiu um local usado por militantes na região de Datta Khel, na demarcação do Waziristão do Norte --região usada como refúgio para membros da rede terrorista Al Qaeda e militantes do grupo islâmico radical Taleban.

Um relatório recente do Instituto do Paquistão para Estudos de Paz afirma que aviões americanos não tripulados efetuaram 32 ataques deste tipo em 2008 e 51 em 2009.

Desde o começo do ano, já houve cerca de 30 ações similares nas áreas tribais paquistanesas, a maioria na mesma demarcação atacada nesta terça-feira.

Os militares americanos não confirmam os ataques de aviões não tripulados, mas suas Forças Armadas e a CIA (agência de inteligência americana), que operam no Afeganistão, são as únicas que têm estas aeronaves na região.

Oficialmente, Islamabad nega que autorize os ataques de aviões não tripulados e chegou diversas vezes a criticá-los por ameaçar civis e romper com a soberania nacional. Fontes paquistanesas e dos EUA, contudo, afirmam que existe um consentimento tácito e que os serviços de inteligência dos dois países compartilham informação sobre os alvos.

Os agentes de combate ao terrorismo nos EUA veem nestes ataques uma forma eficiente de combater grupos terroristas e prejudicar suas operações, sem colocar em risco agentes do país.

Com poucas opções de ferramentas para enfrentar militantes escondidos em áreas tribais remotas e regiões montanhosas, o programa de aviões não tripulados encontra apoio no Congresso e foi significativamente ampliado no governo de Barack Obama.

Com agências internacionais

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página