Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/07/2005 - 22h39

Polícia britânica mata brasileiro por engano após confundi-lo com terrorista

Publicidade

ÉRICA FRAGA
da Folha de S.Paulo, em Londres
da Folha Online

A polícia britânica matou por engano nesta sexta-feira o brasileiro Jean Charles de Menezes, 27, na estação de Stockwell (sul de Londres) após confundi-lo com um terrorista ligado aos ataques da última quinta-feira na capital do Reino Unido.

Hoje, a Scotland Yard admitiu o erro e informou que o brasileiro foi atingido cinco vezes na cabeça depois de ter se recusado a obedecer a ordens da polícia de parar dentro de um vagão do metrô.

"Um homem morrer nestas circunstâncias é uma tragédia e a Polícia Metropolitana lamenta", afirmou a Scotland Yard.

Segundo a polícia britânica, ele teria saído de uma casa que era vigiada pelas forças de ordem por suspeitas de que pudesse ter um vínculo com os atentados de quinta-feira contra três estações do metrô e um ônibus.

Os ataques desta quinta-feira (21) foram registrados às 12h30 (8h30 em Brasília) nos metrôs Warren Street (centro), Oval (sul) e Shepherd's Bush (oeste). Outro artefato explodiu em um ônibus que estava em Hackney Road, próximo à Columbia Road (leste). Ninguém ficou ferido.

Antes, no dia 7 deste mês, três explosões em trens e uma em um ônibus de dois andares deixaram 52 mortos. Outras 700 pessoas ficaram feridas.

Família

Em entrevista à Folha Online neste sábado, a prima de Jean, Vivian Menezes, 21, com quem o brasileiro dividia um apartamento em Londres, se disse "indignada" com a sua morte.

"Meu primo foi vítima da incompetência, da injustiça. Ele era completamente inocente", disse.

Segundo Vivian, que chamou a morte do primo de "estupidez", Menezes correu da polícia porque estava atrasado para o trabalho.

Jean atuava como eletricista e estava na capital britânica havia cerca de três anos. Fazia apenas três meses que voltara de sua última visita ao município de Gonzaga (MG), onde vivem seus pais e familiares, para morar com Vivian e mais uma prima. "O objetivo dele era se estabelecer aqui. Ele gostava muito do país, do idioma", conta Vivian.

Itamaraty

O Itamaraty afirmou, por meio de um comunicado divulgado neste sábado, que o governo está "chocado e perplexo" com a morte do brasileiro.

De acordo com o comunicado, Menezes foi "aparentemente vítima de lamentável erro". Segundo o ministério, "o governo aguarda as explicações que as autoridades britânicas tenham a fornecer sobre as circunstâncias que teriam levado a essa tragédia".

O ministro Celso Amorim, que deveria viajar para Londres hoje, para participar de reuniões sobre a reforma da ONU (Organização das Nações Unidas), determinou à Embaixada do Brasil que solicitasse entrevista com o ministro das Relações Exteriores britânico, Jack Straw, para obter esclarecimentos sobre a morte.

Leia mais
  • Governo está "chocado" com morte de brasileiro em Londres, diz Itamaraty
  • Brasileiro desobedeceu polícia porque estava com pressa, diz prima
  • Testemunhas contam como foi a morte do brasileiro no metrô de Londres

    Especial
  • Leia cobertura completa sobre os ataques em Londres
  • Leia o que já foi publicado sobre atentados na Europa
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página