Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/08/2005 - 13h00

Apesar de retirada, 230 mil colonos judeus devem ficar na Cisjordânia

Publicidade

da Folha Online

O plano de retirada estabelecido pelo primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, só vai remover da Cisjordânia cem famílias [500 colonos, aproximadamente], espalhados em quatro pequenos vilarejos a nordeste da região, segundo o Ministério das Relações Exteriores de Israel.

Outros 230 mil colonos devem permanecer no local, que também faz parte dos territórios a serem ocupados pelo futuro Estado palestino.

É na Cisjordânia que se localizada a cidade de Ramallah, sede da ANP (Autoridade Nacional Palestina), instalada na Muqata, sede do governo palestino, cujo prédio foi exaustivamente castigado pelo Exército israelense, durante o período em que Iasser Arafat presidia estava à frente do governo. Arafat morreu em 11 de novembro do ano passado.

Durante a cúpula de Sharm el Sheikh (Egito), realizada em 8 de fevereiro último, quando o atual presidente da ANP, Mahmoud Abbas, e Sharon participaram do evento, ficou estabelecido [em acordo verbal] que Israel devolveria o controle de cinco cidades palestinas na Cisjordânia: Tulkarem, Jericó, Qalqiliya, Belém e Ramallah.

Foram entregues ao controle palestino Jericó e Tulkarem --esta última posteriormente retomada pelos israelenses devido a um ataque terrorista palestino, ocorrido em julho passado, que deixou cinco mortos em Netanya.

Jerusalém Oriental

Um dos maiores pontos do conflito entre palestinos e israelenses hoje é a cidade de Jerusalém. Anexada ao território israelense, e tida por Israel como a capital do Estado, a cidade também faz parte da demanda palestina.

Os palestinos querem a parte de Jerusalém Oriental como capital de seu futuro Estado, a exemplo de Israel --que nega dividir a cidade.

Jerusalém Oriental é uma cidade de importância ímpar em termos religiosos. O local abriga a Esplanada das Mesquitas [terceiro lugar santo do islã, depois de Meca e Medina] --Monte do Templo, adorado pelos judeus como o lugar onde estavam os templos dos tempos bíblicos.

A cidade também é um local sagrado para os cristãos. Registros bíblicos dizem que Jesus esteve em vários lugares de Jerusalém.

Veja a Cisjordânia em números:

Nome: Cisjordânia

Capital: o território, disputado por palestinos e israelenses, não tem uma capital

População: 2.385.615 palestinos e 240 mil colonos judeus. Apenas 675 serão retirados da região

Área: 5.860km²

Idioma: árabe, hebraico [falado pelos colonos israelenses e também por palestinos], e inglês [que se tornou muito conhecido na região]

Moeda: novo shekel israelense [também entre os palestinos], dinar jordaniano

Forma de governo: a ANP (Autoridade Nacional Palestina) controla a região, mas as colônias judaicas respondem ao governo israelense

PIB: US$ 1,8 bilhão (estimativas de 2003)

Renda "per capita" anual: US$ 800 (estimativas de 2003)

Internautas: 85 mil

Taxa de desemprego entre os palestinos: 50% (incluindo Gaza)

População abaixo da linha da pobreza: 59% (estimativa de 2004)

Fontes: CIA Factbook e agências internacionais

Especial
  • Leia cobertura completa sobre o conflito no Oriente Médio
  • Leia o que já foi publicado sobre protestos contra o plano de retirada
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página