Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/03/2006 - 22h32

Bush promete ajudar afegão ameaçado de morte por ser cristão

Publicidade

da Efe, em Washington

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, expressou nesta quarta-feira sua preocupação com o julgamento em Cabul de um afegão que se converteu ao cristianismo e foi ameaçado com a pena de morte.

Os EUA "têm influência no Afeganistão, e vamos usá-la para recordar que há valores universais", disse Bush a um dos presentes no seu discurso em Wheeling (Estado da Virgínia Ocidental).

"É profundamente preocupante que um país que ajudamos a libertar queira punir alguém porque escolheu outra religião", acrescentou.

"Vamos solucionar este problema trabalhando estreitamente com o nossos contatos no governo. Trataremos do tema diplomaticamente e lembraremos às pessoas que a escolha de uma religião é algo universal", concluiu.

Abdul Rahman, que viveu nove anos na Alemanha, se converteu ao cristianismo após trabalhar em uma organização humanitária no Paquistão e enfrenta agora um julgamento por "rejeitar o islã", crime que pode levar à pena de morte no Afeganistão.

Rahman foi detido há 26 dias, depois que sua própria família o denunciou à polícia. Na quinta-feira passada (16), ele enfrentou a primeira audiência do julgamento na república islâmica do Afeganistão.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre George W. Bush
  • Leia o que já foi publicado sobre o Afeganistão
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página