Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/03/2006 - 09h48

Merkel acompanha caso de cristão condenado à morte no Afeganistão

Publicidade

da Efe, em Berlim

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, está acompanhando "com preocupação" o caso de um afegão que se converteu ao cristianismo e foi condenado à morte, informou o porta-voz do governo, Ulrich Wilhelm.

Segundo o porta-voz, a chanceler "acompanha a evolução do caso" por meio do ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier.

O chefe da diplomacia alemã expressou, por telefone, a seu homólogo afegão, Abdullah Abdullah, a preocupação de Berlim com o caso, disse um porta-voz do ministério de Relações Exteriores.

No entanto, a fonte também disse que a sugestão dada por alguns políticos da oposição, de retirar as tropas alemãs do Afeganistão caso Abdul Rahman seja condenado à morte, não está sendo considerada.

Liberdade

Steinmeier e a ministra de Cooperação Econômica e Desenvolvimento da Alemanha, Heidemarie Wieczorek-Zeul, expressaram ontem sua preocupação com a questão e lembraram que o Afeganistão está sujeito à Convenção de Direitos Humanos, que garante a liberdade religiosa.

O ministro da Economia do Afeganistão, Amin Farhang, disse hoje a um jornal alemão que a reação dos políticos do país europeu foi "exagerada" e chamou a proposta de retirada de tropas de "chantagem".

A Alemanha possui 2.200 soldados no Afeganistão, e o deputado Friedbert Pflüger, da União Democrata-Cristã (CDU), falou que o episódio poderia influenciar a missão no Afeganistão.

Pflüger disse que as tropas alemãs não estão no Afeganistão "para que se execute a pena de morte por razões religiosas". Rahman, que viveu nove anos na Alemanha, se converteu ao cristianismo após trabalhar em uma organização humanitária do Paquistão.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Afeganistão
  • Leia o que já foi publicado sobre Angela Merkel
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página