Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/08/2006 - 16h01

Israel mata 33 no Líbano; foguete do Hizbollah alcança Hadera

Publicidade

da Folha Online

Diferentes ataques aéreos de Israel, registrados hoje, causaram a morte de 33 civis e deixaram cerca de 60 soterrados no Líbano. Foguetes do grupo terrorista Hizbollah lançados contra o norte de Israel, além de confrontos terrestres no sul do Líbano, mataram três civis e três soldados israelenses. Anteriormente, informações davam conta de oito mortos em Israel.

Três foguetes do grupo atingiram nesta sexta-feira a cidade de Hadera, no ataque de maior alcance do Hizbollah contra o norte de Israel, até agora. Hadera fica a cerca de 75 km da fronteira. Não houve registro de vítimas.

Desde o início dos confrontos, no último dia 12, mais de 900 pessoas morreram no Líbano [800 civis, aproximadamente] e 74 em Israel [30 civis].

Nos bombardeios israelenses, mísseis atingiram um caminhão de frutas e legumes estacionado em um armazém na fronteira entre Líbano e Síria, matando 33 civis, a maioria agricultores curdos e sírios. Segundo Israel, o local foi atacado porque o serviço de inteligência do Exército acreditava que se tratavam de postos de armazenamento de armas do Hizbollah.

Mohammed Solh/Reuters
Trabalhadores buscam corpos de companheiros em escombros de depósito agrícola em Qaa
O ataque ao armazém ocorreu durante o dia e atingiu a região de Qaa, no vale do Bekaa, que abriga um dos redutos do Hizbollah, além de uma grande comunidade de brasileiros. No último dia 19, um ataque israelense à região matou o brasileiro Dib Barakat, 62, enquanto trabalhava em sua fábrica.

Segundo autoridades sírias, 23 dos 33 mortos são sírios --18 homens e cinco mulheres. Cerca de 150 pessoas estavam na região do ataque, segundo as mesmas fontes.

Os corpos e os feridos (20) foram enviados à cidade síria de Homs, pois as rotas para cidades libanesas foram destruídas por ataques anteriores das forças de Israel. A empresa atacada é libanesa e empregava mais de 60 trabalhadores.

Soterrados

Outros dois ataques aéreos no sul do Líbano deixaram 57 pessoas soterradas por escombros, informam a imprensa israelense e agências internacionais, citando fontes do governo libanês. De acordo com as primeiras informações, sete pessoas foram soterradas pelos escombros de uma casa em Taibeh (a 5 km da fronteira israelense) e outras 50 estão presas sob um prédio destruído em Aita al Shaab (a 2 km da fronteira).

Segundo fontes israelenses, o grupo terrorista Hizbollah lançou 200 foguetes contra o norte de Israel hoje, matando três civis e deixando quatro feridos [um em estado grave]. Três soldados também morreram em outras ações. Ontem, cerca de 160 foguetes do Hizbollah mataram 12 pessoas [oito civis] e deixaram 37 feridos em Israel.

Carlos Barria/Reuters
Israelenses carregam corpo de vítima de ataque com foguete do Hizbollah em Tarshiha
Israel anunciou ainda a morte de dez membros do Hizbollah, mas o grupo não confirmou as perdas.

Desde o início da madrugada desta sexta-feira, Israel lançou cerca de 150 ataques contra posições do Hizbollah no Líbano. A ofensiva ocorre apesar de o Hizbollah ter advertido ontem que a continuidade das ações israelenses levaria a um ataque contra Tel Aviv, maior cidade de Israel, que fica a cerca de 130 km da fronteira.

Após 23 dias de combates, Israel ainda não conseguiu barrar os ataques do Hizbollah, cujos foguetes alcançam distâncias cada vez maiores.

Infra-estrutura

Aviões de Israel também castigaram a infra-estrutura do norte da capital Beirute, destruindo quatro pontes essenciais para fuga à Síria. Estes ataques visam minar as possibilidades de movimentação dos membros do Hizbollah e impedir seus lançamentos de foguetes, mas também prejudicam civis que têm cada vez menos alternativas para escapar da zona de bombardeio.

Ontem o líder do Hizbollah, xeque Hassan Nasrallah, ameaçou atacar Tel Aviv se Israel mantivesse sua ofensiva contra o Líbano, e sinalizou com um possível cessar-fogo caso fossem interrompidas as ações contra cidades libanesas --muitas delas totalmente destruídas e sem condições de abrigar centenas de milhares de civis que fogem de uma cidade para outra a fim de tentar escapar da violência.

Apesar das ameaças do Hizbollah, Israel não dá sinais de que pretende interromper os ataques antes de conquistar seu objetivo: destruir por completo a infra-estrutura do Hizbollah, impor um "zona de segurança" na fronteira e entregar o controle da região a tropas internacionais.

Israel tenta expandir cada vez mais sua penetração em território libanês --avançando dos 6 km já invadidos para 15 km-- a fim de evitar o lançamento de foguetes contra o norte de seu território.

As tropas israelenses já teriam o controle de cerca de 20 cidades e aldeias no sul do Líbano, mas os cerca de 10 mil soldados de Israel enfrentam fortes combates contra os membros do Hizbollah, que atacam os carros blindados com foguetes antitanque e abrem fogo contra os soldados.

Ontem, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, defendeu um cessar-fogo, mas voltou a desferir duros comentários contra Israel, pregando sua destruição. "O verdadeiro remédio para o conflito [no Líbano] é a eliminação do regime sionista", disse, na Malásia, onde participa de encontros da Conferência Islâmica.

O Hizbollah, que recebe apoio sírio e iraniano, não é visto no Líbano como uma entidade terrorista, mas como um grupo de resistência contra a invasão israelense ao país, em 1982, que só terminou em 2000, 18 anos mais tarde. O grupo foi o único a não se desarmar após a guerra civil do Líbano (1975-1991), e freqüentemente lança foguetes contra Israel.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, retirou seu embaixador de Israel nesta sexta-feira, como forma de condenar o que chamou de "massacre" contra libaneses e palestinos. Chávez, que esteve no Irã e na Rússia na semana passada, também condenou a ação dos Estados Unidos, que até agora impediu que o Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) aja imediatamente em prol do fim dos conflitos.

Com agências internacionais

Leia mais
  • Ouça relatos de brasileiros no Líbano e em Israel
  • Veja cronologia dos confrontos

    Especial
  • Leia mais sobre a Guerra no Oriente Médio
  • Veja fotos da atual onda de violência entre Israel e Líbano
  • Leia o que já foi publicado sobre a crise entre Israel e Líbano
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página