Pensata

Lúcio Ribeiro

01/08/2001

Brasil já teve Rolling Stone, e banda Pulp pode vir ao país

Você vai ler aqui hoje (se quiser, claro):

* Essa não! Pulp no Brasil????

* "Rolling Stone" já teve publicação brasileira, piratíssima.

* O primeiro ranking brasileiro de bandas indie.

* Placebo, a maior banda de rock do mundo. Hã?

* Mais do Free Jazz.

* Melhoramos a trilha sonora do livraço "Alta Fidelidade"

* O de sempre: Strokes e Belle & Sebastian.

* Quer jogar tomate na cabeça do Caetano?

* As datas do Luna, tá pensando o quê.

* Leitor vê o vídeo do Arnaldo Antunes e é internado.

* Entre na corrente George Harrison.

E muito mais bobagens. Boa sorte!


PULP NO BRASIL

Não queria ficar aqui, toda semana, anunciando banda legal que está de viagem marcada para o Brasil. Enfim... Mas esta é muito boa. Cheira a fofoca, mas é boa, você há de concordar. A história é a seguinte. A banda inglesa Pulp, um dos vértices da tríade de ouro do britpop dos anos 90 (Oasis e Blur são as outras), parece que desembarca no ainda neste ano ou no começo do próximo no país.

Há algum tempo eu troquei e-mail com uma pessoa ligada à banda, de Sheffield, Inglaterra.

Havia rumores soltos aqui e ali que davam conta de que o grupo poderia vir ao Free Jazz.

A resposta da Inglaterra foi negativa. O sujeito me dizia que iria confirmar, mas achava bem difícil. A banda vai lançar álbum novo em outubro, e o trabalho de divulgação e shows estariam todos voltados para o mercado britânico.

Bem normal.

Mas ontem, enquanto eu fazia esta coluna, pintou o seguinte e-mail direto de meu informante de Sheffield:

"Pulp in Brazil. It reached reality, yes. Very end of this year or early the next".

Apurei com o "Garganta Profunda" (o termo é jornalístico e remete ao filme "Todos os Homens do Presidente" e ao escândalo de Watergate, que derrubou Nixon; na verdade é o meu informante do Free Jazz) se a afirmação fazia sentido para a mais bacana das edições do festival, que vai ser a deste ano.

A resposta foi "Não", embora faltassem algumas confirmações.

Vou continuar apurando e você vai ficar sabendo por aqui se o Pulp vem mesmo ou não. E quando.

Enquanto isso, dá para caçar as duas novas músicas do grupo na internet: "Sunrise" e "Trees", que vão estar no aguardado álbum novo do Pulp, que chega às lojas em outubro.

Só para lembrar, o líder e cantor do Pulp, o impagável Jarvis Cocker, é o cara que, em plena transmissão ao vivo de uma premiação musical no Reino Unido em 1996, deu um chute na bunda do astro Michael Jackson.

Gary/Pulp Online

Este é o Jarvis Cocker, que canta para pessoas comuns


*******************************

ROLLING STONE BRASILEIRA

Vai, argentinada. Libera essa "Rolling Stone" brasileira de uma vez.

Mas, enquanto olhamos para toda banca que passa para ver se a revista está lá, pendurada, vale lembrar que a "Rolling Stone" foi publicada no Brasil nos anos 70. Em 72 e 73, para ser mais exato.

Circularam 36 números. Foram 37, se levarmos em conta o número zero, que tinha na capa sabe quem? Maria Bethânia!!!

Até fazia sentido na época.

Leitor desta coluna, Pedro Romualdo, de Bauru (SP) escreve dizendo que tem TODOS os números (incluindo o 0) da primeira "RS" brazuca.

A redação ficava no Rio de Janeiro e era tocada por três jornalistas musicais da antiga, bem conhecidos: Luis Carlos Maciel (o chefe) e os colaboradores permanentes Ezequiel Neves mais Ana Maria Bahiana (que mora em Los Angeles e hoje escreve sobre cinema).

Outro leitor deste espaço, Zoca Moraes, diz que quem acompanhava a revista na época pode acomopanhar um dos períodos mais interessantes da história da pop music: o ocaso das bandas flower power, o desenvolvimento daquela corrente que anos mais tarde seria classificada como progressiva e o mais significativo, o aparecimento da cena glitter em Londres e pré-punk, em Detroit/Ann Arbor e Nova York.

A primeira "RS" brasileira tinha formato europeu, entre o tablóide (tipo "Folhateen") e o normal. E era vendida dobrada na banca.

Tudo isso sem acordo nem com argentino nem com americano. Era pirata, mesmo.

A capa do número 1 da "RS" nacional dos anos 70 foi ilustrada com uma foto do Caetano Veloso. A número 2 era com o Jimi Hendrix.




Quem você acha que deveria ilustrar o número 1 desta "Rolling Stone" nacional, que está vindo por aí?

O meu palpite: Sepultura, que parece ser mesmo quem está na capa do tal projeto de número zero que circulam pelas agências de publicidade de SP que disputam a "conta" da revista. E o seu?

*******************************

PRIMEIRO RANKING INDIE NACIONAL

Hum!! Agora o bicho vai pegar. Embacei o quanto pude para ganhar tempo e organizar direitinho a lista de bandas indies preferidas dos leitores desta coluna.

Veja o que deu, neste primeiro quem é quem do rock independente nacional, de acordo com apuração de um total de voto que ultrapassou os 400.

1º Textículos de Mary (PE) e CPM22 (SP)..........................32 votos
2º Maybees (SP) e Pelvs (RJ)............................................31
3º Thee Butchers' Orchestra (SP) e Bidê ou Balde (RS).......28
4º Superphones (RS)........................................................25
5º Irmãos Rocha! (RS)......................................................23
5º Astromato (SP)............................................................20
6º Grenade (PR) e Wonkavision (RS) ................................17
7º Blemish (SP), Video Hits (RS), Hares (BA) e Dust (?).....15
8º Brincando de Deus (BA)...............................................12
9º Walverdes (RS), Arsene Lupin (BA), Winston (RS) e Wry.10
10º Proto (DF), Sala Especial (SP) e Dead Fish (ES).............9

Ou seja: a rigor, seis bandas terminaram em um empolgante empate técnico. Vamos desempatar essa história?

******************

PROMOÇÃO A MELHOR BANDA INDIE NACIONAL (AGORA VAI)

Só vale votar em uma destas seis bandas: Textículos de Mary (PE), CPM22, Maybees (SP), Pelvs (RJ), Thee Butchers' Orchestra (SP) e Bidê ou Balde (RS).

As mais votadas do ranking indie.

Qual é a melhor? Votos para lucio@uol.com.br concorrem a um CD de colecionador: "Weezer Report", um disco com 18 faixas ao vivo da queridíssima banda Weezer, registro de um show bem recente (maio) no Zepp, em Tóquio, Japão.

O CD tem material ao vivo do disco novo, o "Green Album", e mais os sucessos de sempre.

"Weezer Report" foi doado a essa coluna pela descolada loja de discos Velvet (www.velvetcds.com.br), que fica nas Grandes Galerias, em SP, mas fornece rock do bom para todo o Brasil.

*****************

LÚCIO SUPERPODEROSO



Esse aí de cima sou eu, um menino superpoderoso. É o jeito que eu me sinto por estar saindo em busca de merecidas férias, que há tempos não gozo decentemente.

Enquanto você estiver lendo esta coluna, ou estou me preparando, ou estou indo ou já cheguei na Espanha, meu primeiro destino. Neste final de semana, se tudo der certo, shows de Belle & Sebastian, Pulp, Manic Street Preachers, Fatboy Slim, PJ Harvey etc.

Tudo isso vai estar reportado aqui, na semana que vem.

Mas a coluna durante todo o mês de agosto será publicada da seguinte maneira: a parte principal será escrita por um convidado especial. O texto do convidado será completado com um boletim de viagem meu, que mando da Espanha, França e Inglaterra.

Veja quem escreve aqui em agosto:

dia 8 de agosto: Luciano Vianna, do Rio de Janeiro, o responsável pelo site London Burning e organizador de festivais quinzenais bacanas e concorridíssimos no Orbital, em SP

dia 15 de agosto: Thales de Menezes, aqui de SP, o velho Thales de sempre, um dos maiores conhecedores de cultura pop que conheço, que consegue gostar de Sonic Youth e Kid Abelha numa boa, ex-"Folha de S.Paulo" e que hoje empresta seus valiosos serviços à "Revista da Web".

dia 22 de agosto: André "Cardoso" Czarnobai, o "dono" do gaúcho e-zine Cardoso Online, que funciona apenas por assinatura, um antro de bons escritores de cultura independente.

dia 29 de agosto: André Barcinski e Paulão, a dupla que comanda o mais decente programa de rádio do Brasil, o "Garagem" (Brasil 2000 FM, 107.3 mHz), e promoters de festas tão legais quanto lotadas cujo endereço fixo é no Galpão 16, em SP.

É isso aí. Cuidem bem dos meninos acima durante minha ausência.

***************************

BOLETIM FREE JAZZ - TUDO EM CIMA

O anúncio oficial está marcado apenas para o começo de setembro. Os ingressos devem ser vendido a partir daí. Por enquanto, como você tem acompanhado aqui, a situação da porção "rock/eletrônico" do Free Jazz Festival 2001 é a seguinte:

Belle & Sebastian (confirmado): grupo escocês de rock simples e singelo (art pop?) tão badalado quanto estranho. São avessos a entrevistas e raramente saem turnês, afirmando que a banda não é prioridade em suas vidas, muito ocupadas com pinturas, estudos na universidade, grupos musicais paralelos. Os quatro álbuns e os seis eps do grupo são encontrados no Brasil em edição nacional.

Fatboy Slim (confirmado): Talvez o nome mais famoso da música eletrônica, ao lado de Moby. Muitas vezes anunciado pelo próprio Free Jazz, mas que vem ao festival pela primeira vez neste ano. Rei do big beat, é considerado o mais pop dos DJs da eletrônica. Fatboy Slim é o alterego do DJ inglês Norman Cook, que tocava nos anos 80 na banda pop Housemartins. Vem ao país com a turnê de seu terceiro CD, "Halfway between the Gutter and the Stars', lançado no Brasil em 2000. É o autor do hit planetário "Rockafeller Skank".

Sigur Rós (confirmado): Banda islandesa que atualiza o rock progressivo, toca na noite do Belle & Sebastian (26 no Rio, 27 em SP). Grupo que surgiu em Reykjavík em meados dos 90, é uma das preferidas do pessoal do Radiohead. Lota shows em Londres e tem completa adoração pelo povo pop de seu país e na Escandinávia e França. Seu guitarrista Jón Thór Birgisson toca guitarra com um arco de violino.

Grandaddy (não-confirmado): Faltam detalhes para o acerto desta banda indie americana. A chance é boa, já que o nome não foi riscado da lista de atrações.

************************************

BELLE & SEBASTIAN ENTREVISTA

Na semana passada, o líder da cultuada banda escocesa, o grande Stuart Murdoch, concedeu simpática entrevista a este colunista, que foi publicada na última segunda-feira no caderno "Folhateen", da Folha.

Para quem não teve a oportunidade de ver o que o idiossincrático Murdoch pensa dos fãs brasileiros ou não é assinante do UOL ou da Folha Online, vou reproduzir aqui parte da entrevista:

Folha - Belle & Sebastian não só vem ao Brasil pela primeira vez como essa será a primeira apresentação da banda fora do eixo Reino Unido-EUA. O que a banda espera encontrar por aqui? Há no circuito independente brasileiro um verdadeiro séquito que adora o grupo.

Stuart Murdoch - Não acredito. É verdade? Parece completamente estranho para mim saber que alguém aí no Brasil se identifica com nossa música de alguma forma. Nós costumamos receber informações de que conseguimos vender alguns discos não só no Brasil como na Argentina e no Chile. Simplesmente não acredito. Tenho a impressão de que só vou acreditar nisso quando eu estiver aí.

Folha - Como a cidade de Glasgow é importante para a música do Belle & Sebastian? E o que você pensa dessa interessante onda de boas bandas de rock que vem da Escócia (Mogwai, Travis, Looper etc.)?

Murdoch - Glasgow é uma cidade esquisita e deve ser importante para a nossa música de algum modo. Posso dizer que sua atmosfera sempre afeta o trabalho de qualquer um por aqui. Glasgow é uma cidade pacata, tranquila, e isso explica um pouco por que fazemos a música que fazemos. E, também não sei o porquê, há muitos músicos que vivem aqui. Só as bandas e projetos que derivam do Belle & Sebastian já dizem muito. Em Glasgow chove o tempo todo. Não há muita coisa para fazer. Em resumo, Glasgow é uma cidade de malditos seres infelizes.

*******************************

B&S GANHA SITE BRASILEIRO

Dá uma olhada que é bem legal. Mora no www.belleandsebastian.com.br. Se o Murdoch achava estranho ter fãs no Brasil, imagina quando ele souber que a "bandinha" escocesa dele tem até site...

******************************

VENCEDORES DO SINGLE "JONATHAN DAVID"

Confira os dois ganhadores do single "Jonathan David", um oferecimento da loja de discos Velvet (www.velvetcds.com.br).

Atenção: a Trama ainda não botou nas lojas a edição nacional do single. Está previsto para esta semana. Os discos serão entregues assim que a Velvet os receber.

Paulo Dantas
Salvador, BA


Maira Zanuto de Mello
São Bernardo do Campo, SP


A julgar pela resposta a essa coluna dos leitores que confirmam que vão ao Free Jazz para ver o Belle & Sebastian, 502 e-mails, era bom o festival armar um show extra.

*******************************

"MOMENTO" PLACEBO

A grande banda inglesa Placebo, grupo nota 5,5 no rock inglês, em um belo trabalho de divulgação, ganhou gigante espaço na grande imprensa brasileira na última sexta-feira.

Entrevistas para todo lado, textos elogiosos, frases como "banda popularíssima" saudaram a chegada ao Brasil do meia-boca álbum "Black Market Music", de repercussão zero no cenário independente, lançado na Inglaterra NO ANO PASSADO.

Não li, mas me contaram: teve texto que afirmava que a banda era idolatrada até pelo guitarrista Neil Young, que teria tocado no Rock in Rio 3 com uma camiseta com o nome "Placebo" estampado no peito, em uma homenagem ao grupo de Brian Molko.

Como diz o lendário Marcos Mion, "Fala sério..."

Enquanto isso, em uma galáxia musical não muito distante...

*******************************

PROMOÇÃO - A "VERDADEIRA" TRILHA DO "ALTA FIDELIDADE"

A obra-prima do nosso escritor preferido, o inglês Nick Hornby, acaba de ganhar sua verdadeira trilha sonora. E ela pode ir para na sua mão.

Lembra que saiu a trilha oficial do filme, com o John Cusak. Tinha coisas legais, como Velvet Underground, Smog, Beta Band e tal.

Daí que o amigo Jeff, da Motor Music mineira, decidiu fazer uma compilação das músicas citadas no livro. E vai doar três cópias para sorteio desta coluna. Para ganhá-la, é só pedir no lucio@uol.com.br.

Confira a lista das músicas e veja de que parte do livro ela foi tirada.

01 - Neil Young: "Only Love Can Break Your Heart"
02 - Smiths: "Last Night I Dreamed That Somebody Loved Me"
03 - Rod Stewart: "I Don´t Want to Talk About It"
04 - Otis Redding: "You Left The Water Running"
05 - Jean Knight: "Mr. Big Stuff"
06 - Jackson Five: "The Love You Save"
07 - Donny Hathaway: "The Ghetto"
08 - Solomon Burke: "Got To Get You Off My Mind"
09 - Elvis Costello: "Alison"
10 - Marvin Gaye: "Let´s Get It On"
11 - Flying Burrito Brothers: "Sin City"
12 - Aretha Franklin: "Think"
13 - Kingsmen: "Louie, Louie"
14 - Bob Marley: "Stir It Up"
15 - James Brown: "Papa´s Got A Brand New Bag"
16 - Chuck Berry: "Back In The USA"
17 - Clash: "White Man In The Hammersmith Palais"
18 - Al Green: "So Tired Of Being Alone"
19 - O´Jays: "Back Stabbers"

* Algumas das minhas canções favoritas: "Only Love Can Break Your Heart", de Neil Young; "Last Night I Dreamed That Somebody Loved Me", dos Smiths; "I Don´t Want to Talk About It", com qualquer um. (pág. 27).

* E ah não ah não ah Deus. "You Left The Water Running" de Otis Redding, lançado sete anos após sua morte, recolhido imediatamente por sua viúva porque ela não... (pág. 70)

* (Por falar nisso, cinco maiores sucessos de pista no Groucho: ... "Mr. Big Stuff", com Jean Knight; "The Love You Save", com Jackson Five; "The Ghetto", com Donny Hathaway.) (pág. 77)

* ... e eu gostei dela de cara: pediu-me para tocar um disco que eu realmente adorava ("Got To Get You Off My Mind", de Solomon Burke, se interessa a alguém)... (pág. 78)

* Estamos tão contentes, de fato, que entre expulsar os fregueses e dar o dia por encerrado, listamos nossas cinco melhores canções de Elvis Costello (eu vou de "Alison", ...) (pág. 85)

**************************

BOLETIM STROKES

Vou já falar quem ganhou a cópia promo caseira de "Is This It", o melhor álbum deste ano ainda sem ter saído, o álbum de estréia dos Strokes.

Aurélia Mattos
São Paulo, SP


E você sabe. Ainda durante todo o mês de agosto, a coluna vai sortear um disquinho da banda, feito graças à maravilhosa internet, lar desta coluna.

É só pedir no lucio@uol.com.br. Vai aí, não fica acanhado.

E saiba: o disco vai ser lançado pela BMG brasileira no dia 25 de setembro, seguindo o lançamento americano. E a capa da edição nacional (como a do CD nos EUA) deve ser DIFERENTE daquela publicada aqui na semana passada, cuja foto é a de uma garota pelada.

Censura estúpida americana, claro.

Quando pintar a capa nova, você vai ver aqui.

Agora, "Is This It" já está à venda desde a última segunda-feira na Austrália, o simpático país da atriz Nicole Kidman (não tinha muito por que dizer isso, mas é que fiz a relação). Parece que a Holanda também já vende o disco.

Strokes é hit nas galerias de SP. Cópias piratas dos shows da banda nos EUA do começo do ano evaporam assim que colocadas à venda. Matéria sobre a banda deve sair na revista "Veja" da semana que vem. Ou da outra.

**********************

SABE O QUE É ISTO AQUI?




Este é meu amigo Sérgio Dávila, também jornalista da Folha, que mora em Nova York e fica me instigando com o ingresso (que ele diz que é meu) para o show dos Strokes no Irving Plaza, do dia 14 de setembro.

Hummmmm!

******************

GEORGE HARRISON, A CORRENTE E A ANA JÚLIA.

Primeiro: não vou comentar nada sobre a notícia que circula por aí, de que o ex-beatle vai gravar "Ana Júlia", dos Los Hermanos, em inglês. Já não bastasse o que o Paulo Ricardo fez com os Beatles.

Agora, sobre o câncer que parece estar levando mais um beatle embora, rola na internet uma corrente de oração para o George.

A mais famosa canção de George Harrison, em carreira solo, foi "My Sweet Lord", canção-oração que ilustrava o lado espiritual do beatle mais místico dos quatro. Na letra, George roga ao Senhor que quer realmente vê-lo. É assim:

My sweet Lord
Hmmmm, my Lord
Hmmmm, my Lord

I really wanna see you
I really wanna be with you
I really wanna see you, Lord
But it takes so long, my Lord

My sweet Lord
Hmmmm, my Lord

I really wanna know you
I really wanna go with you
I really wanna show you, Lord
That it won't take long,

My Lord (Hallelujah)....

****************************

TOMATE NA CARA DO CAETANO

Quer jogar, quer jogar?

Então clica aqui.

É da revista "Exame Vip". O mote é o seguinte: "Caetano Veloso detonou nossos ouvidos e invadiu a Terra. Ajude a nos livrar deste invasor.".

Eu já fui lá e joguei os meus tomates. Vai perder essa?

****************************

ARNALDO ANTUNES FERE LEITOR

Falando em Caetano, sabe o vídeo novo do Arnaldo Antunes? O que ele conversa com o boneco Arnaldo, que eu contei a história na semana passada?

O leitor Rodrigo Lobo Damasceno, de Feira de Santana (BA) assistiu. E nunca mais foi o mesmo.

"Lúcio, acabei de presenciar uma coisa que qualquer um não gostaria: vi o tal clipe do Arnaldo Antunes. Na verdade eu nem consegui prestar tanta atenção ao clipe (tem muitas cenas do filme e o Arnaldo sem representar ninguém, apenas sendo ele mesmo: um louco) pelo fato de ser quase lobotomizado pela letra da música: uma 'poesia' concreta no melhor (pior) estilo Arnaldo Antunes. 'Eu fico fora de si / Eu fico fora sem ninguém em mim / Eu fica assim'. É mais ou menos isso, não consigo lembrar totalmente. Acho que preciso ir ao hospital. Não estou bem..."

Rodrigo Lobo Damasceno

********************

DATAS DO LUNA NO BRASIL

Curto e grosso. Saíram as datas dos shows do maravilhoso Luna no Brasil. Sabe o Luna, né? Banda do Dean Wareham, ex-Galaxie 500, mitológica banda de Boston do começo dos 90. Anote aí.

18 set - São Paulo
19 set - São Paulo
20 set - Porto Alegre
21 set - Curitiba
22 set - Londrina
26 set - São Carlos
27 set - Rio de Janeiro
28 set - Belo Horizonte
29 set - Goiânia

*********************

O QUE O THOM YORKE TEM NA CABEÇA

Circula na internet uma lista das 14 músicas favoritas de Thom Yorke, do Radiohead. Para quem interessar possa, a lista é esta:

1. "Freedom-Song Part One", Charles Mingus
(Segundo Yorke, essa música inspirou tanto o "Amnesiac" quanto o "Kid A". Então, para quem não gostou da mudança de linha do Radiohead, a culpa toda é do Charles Mingus.)
2. "Headmaster Ritual, The Smiths
3. "Prelude II/ Summertime/ Prelude I", trilha original de "Porgy and Bess"
4. "Electrolite", R.E.M.
5. "Sad Professor", R.E.M.
6. "Very Ape", Nirvana
7. "Open", Robert Lippock
8. "Contact", Serge Gainsbourg
9. "Who Is It", Mantronix
10. "I Am the Walrus", Beatles
11. "Milkman", Aphex Twin
12. "Use Me". Bill Withers
13. "Superfly", Curtis Mayfield
14. "I Loved and I Lost", Curtis Mayfield

***************

LEITORES...

"Estou muito, muito, muito irritada com essa estória toda de Free Jazz, B&S, Sigur Rós, Fatboy Slim...Eles fizeram de propósito, só para eu ter que ficar vendo pela TV. Acho que nem vou conseguir ver pela TV. Como se já não bastasse ter quase morrido ao não ver Sonic Youth no ano passado. Sério, eles devem me perseguir. Ou então eu tô ficando maluca. Não dá para ir na Bunker (boate daqui do Rio), não dá para ir em rave, não dá para alugar "Trainspotting", "Virgens Suicidas" e "Velvet Goldmine", não dá para ir no Free Jazz... Que saco."

Lívia Trigueiro Martins, 13 ANOS!!!!

************************

SOLIDARIEDADE

Esta coluna também é beneficente e está cheia de leitores empenhados em abraçar causas vitais ao ser humano. Está pensando o quê? A leitora Barbara Rangel ficou completamente comovida com a situação dos menores que sonham com o Free Jazz Festival, mas que não vão poder ver os shows por causa da idade, companhia adulta, dinheiro.

E mandou seu depoimento para consolar a alma roqueira dos sub-18 que querem mais driblar a adversidade e botarem olhos e ouvidos nas os

"Gostaria de mostrar a minha compaixão aos menores que vão ao Free Jazz. Ano passado eu era uma (tenho 18 anos agora) e para ir em dois shows fui obrigada a pagar R$ 90 (R$ 50 do Sonic Youth e R$ 40 do Manu Chao). E como >dinheiro não costuma brotar em árvores, eu tive que vender sanduíches na escola por quase dois meses para conseguir bancar os custos, além de falsificar a minha carteira de identidade, claro. Valeu a pena.mesmo."

****************

VENCEDORES PROMOÇÃO LIVRO DO FÁBIO MASSARI

E os dois "Rumo à Estação Islândia", autografados, o fruto literário de incursões do VJ da MTV pela cena roqueira do país da Bjork e do Sigur Rós, saíram para

ANA PAULA SANCHOPINK
Jundiaí, SP
16 anos e fã de Mclusky

RAFAEL COSME
São Paulo, SP
detalhe: está indo para a Islândia em setembro


***************

Acho que deu, por hora.

Vou mandando notícias.

Tratem bem os convidados.

Esta coluna foi feita ao som do maravilhoso disco novo do Spiritualized, Pulp, White Stripes, Simian e Roberta Miranda (foi minha mãe quem colocou, na hora em que eu me distraí)

Até mais
Lúcio Ribeiro, 41, é colunista da Folha especializado em música pop e cinema. Também é DJ, edita a revista "Capricho" e tem uma coluna na "Bizz". Escreve para a Folha Online às quartas.

E-mail: lucio@uol.com.br

Leia as colunas anteriores

//-->

FolhaShop

Digite produto
ou marca