Reuters
25/03/2003 - 16h59

Roman Polanski se diz "comovido" com o Oscar de melhor direção

da Reuters, em Paris

O diretor franco-polonês Roman Polanski, 69, disse hoje que ficou "profundamente comovido" com o Oscar de melhor direção que recebeu por "O Pianista".

"Fico profundamente comovido por receber um Oscar de melhor diretor por um filme que relata fatos tão próximos de minha experiência pessoal, acontecimentos que me ajudaram a compreender que a arte pode transcender a dor", disse Polanski em breve comunicado à imprensa.

"Agradeço aos membros da academia do fundo do meu coração por essa magnífica recompensa", concluiu.

Polanski, que fugiu dos Estados Unidos para a França em 1978, quando estava prestes a ser condenado à prisão por ter tido relações sexuais com uma garota de 13 anos de idade, pode ser preso se for aos Estados Unidos. Este foi o motivo da ausência do diretor na cerimônia de entrega do Oscar, que aconteceu no último domingo.

"O Pianista" é baseado nas memórias de Wladyslaw Szpilman, músico judeu-polonês que sobreviveu à ocupação nazista de Varsóvia durante a 2a Guerra Mundial, mas também contém muitos elementos de tudo que o próprio Polanski viveu, quando criança, na mesma época.

O diretor nasceu na França, filho de pais judeus. A família retornou para a Polônia antes do início da 2ª Guerra Mundial, durante a qual sua mãe morreu num campo de concentração.

"O Pianista" ganhou a Palma de Ouro do Festival de Cannes deste ano e também deu um Oscar de melhor ator a seu protagonista, Adrien Brody.

Polanski já tinha sido indicado ao Oscar de melhor diretor por "Chinatown", em 1974, e "Tess", em 1979, e ao Oscar de melhor roteiro por "O Bebê de Rosemary".

Especial
  • Fique por dentro da 75ª edição do Oscar
     
  • FolhaShop

    Digite produto
    ou marca