Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
Conteúdo Gratuito
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
26/05/2012 - 03h30

Veja carta que a filha de Drummond mandou para ele

Publicidade

ANDRÉA LEMOS
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

"Brinque bastante, pule bastante, faça tudo que você tiver vontade de fazer." Esses são os conselhos de um pai para uma filha. Esse pai é o famoso poeta Carlos Drummond de Andrade. As palavras foram escritas em uma das centenas de cartas que Drummond trocou com Maria Julieta durante toda a vida.

Num tempo em que emails só existiam em livros futuristas, as cartas eram o jeito que o escritor e a menina tinham para matar a saudade. Toda ano, Maria Julieta passava os meses de férias com a família, em Minas Gerais. Drummond morava no Rio de Janeiro.

Os dois eram bons de inventar apelido. Enquanto Drummond chamava Maria Julieta de "julica", "filha amada" e "filhareca", Julieta retribuia com "Cacá", "papai querido" e "poeta amado".

Abaixo, uma das cartas enviadas por Maria Julieta, quando tinha 8 anos, em uma dessas ocasiões.

Arquivo Pessoal
Carta escrita por Maria Julieta para o pai, Carlos Drummond de Andrade
Carta escrita por Maria Julieta para o pai, Carlos Drummond de Andrade

Mais tarde, as distâncias percorridas pelas palavras ficaram ainda maiores. Na adolescência, Julieta entrou para o Movimento Bandeirante e passou a viajar pelo Brasil. Aos 20, foi morar na Argentina.

A atriz Sura Berditchevsky, que pesquisou o arquivo de cartas mantido pelo filho de Julieta, Pedro Augusto, diz que, apesar de separados, pai e filha não deixaram de estar muito próximos.

"As cartas trocadas na época em que Julieta era criança demonstram uma relação de afeto, de respeito desse pai com essa filha e mostram a maneira como ele vai dando possibilidades para ela ir para o mundo, para virar gente." Ela completa: "a gente encontra um lado de Drummond extramemente generoso."

Essa relação é trazida à tona pela atriz na peça "Cartas de Maria Julieta e Carlos Drummond de Andrade", que estreia em São Paulo dia 16 de junho (no teatro Eva Herz; indicado para maiores de 12 anos). O monólogo será apresentado também na Flip, que este ano homenageia Carlos Drummond de Andrade.

 

Publicidade

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página