Arte para crianças é para motivar, não para disciplinar, diz Ziskind

Compositor, que se prepara para live no dia 1º de maio, lembra sucessos como "Glub Glub" e "Banho É Bom"

São Paulo

Quando a gente é fã de verdade de algum programa de TV sabe cantar de cor a musiquinha de abertura porque ela fica na cabeça até mesmo se não tem letra.

Pois no Brasil existe um cara que escreveu não só uma dessas músicas, mas dezenas delas, que tocam até hoje na televisão.

Seu nome é Hélio Ziskind. Os “filhos” dele são muitos: o ratinho do meu pé, meu querido pé, o passarinho que pergunta “que som é esse?”, Júlio e o pessoal do sítio e até mesmo o caminhão que passa vendendo botijão de gás na rua. Vai dizer que nunca ouviu essa galera?

Músico vestido com camiseta verde e calça cáqui tocando violão e cantando ao microfone
O músico Hélio Ziskind, criador das canções do programa "Cocoricó" da TV Cultura, durante show - Divulgação

Ziskind tem 64 anos e foi consultor musical na TV Cultura por quase uma década. Entre 1985 e 1993, compôs temas para grandes sucessos infantis como “Rá-Tim-Bum” e “Castelo Rá-Tim-Bum”, “Cocoricó”, “X-Tudo” e “Glub Glub”. E também para programas voltados ao público adulto, como “Roda Viva”, “Vitrine” e “Nossa Língua Portuguesa”.

Hoje, por causa da pandemia, Zisking está confinado em sua casa, no bairro de Perdizes, em São Paulo.
“A quarentena deu uma boa bagunçada nas coisas, não pelo trabalho de compor em si, mas pelo aumento de tarefas que trouxe com a casa, comida, roupa. Diminuiu meu tempo”, conta o compositor.

Ainda assim, tem produzido todos os dias jingles sob encomenda para um cliente de Cingapura e editado vídeos para o seu canal, o Zis. Lá, ele reúne, sob uma mesma identidade visual, toda sua produção infantil, aquilo que define como “canções-brinquedo”.

“As crianças podem levar minha música para brincar aonde elas forem”, explica. O conceito surgiu durante a composição, no início dos anos 1990, de “Banho É Bom (Ratinho Tomando Banho)” —aquela mesma que quase todo mundo conhece. “A TV Cultura fez o pedido de uma música para mandar as crianças para o banho”, relembra.

“A arte para crianças já teve uma função disciplinadora, mas era muito claro para mim que eu queria motivação, e não disciplina”, diz.

“Recebi o desenho pronto e sabia que queria nomear as partes do corpo. O ‘fazedor de xixi’ foi uma descoberta salvadora, mas o nó afetivo mesmo é o ‘meu pé, meu querido pé que me aguenta o dia inteiro’. Isso abriu um portal na minha cabeça, de procurar os afetos concentrados.”
Formado em composição na USP, Ziskind acredita que sua conexão com os pequenos vem do fato de ter mantido “um certo olhar curioso, e também um interesse genuíno na música”.

“Eu não facilitei para as crianças. Se precisava engolir compasso, engolia. Essas músicas não são uma coisa infantil, elas são para crianças, é diferente. O processo não é muito diferente de o Djavan pensando para fazer ‘Oceano’”, afirma o compositor.

“A TV me propunha desafios. Para o ‘Glub Glub’, sugeri uma abertura cantada, falando só ‘glub’ várias vezes. Daí no ‘Cocoricó’ começaram a me pedir canções, mas nada vinha brifado, e eu tinha que pensar em como a música ia acrescentar na história”, comenta Ziskind.

“Alcancei temas nunca antes tratados no universo infantil. Floresci nesse trabalho. Quando vi, as canções cresceram para fora”, conta.

Ziskind diz que não esperava se dedicar ao universo infantil da forma como aconteceu. Para ele, o escritor americano Maurice Sendak, de “Onde Vivem os Monstros”, e o poeta brasileiro Manoel de Barros são exemplos de autores que se situam muito mais na infância. “Estou mais na ciência e tento trazê-la para dentro do lúdico. Vejo a canção como ferramenta que cria vínculos afetivos com os assuntos”.

No mundo dos adultos, ele fez parte do Grupo Rumo e produziu, entre muitas outras coisas, audioguias para museus como a Pinacoteca e o Museu do Futebol, em São Paulo, e o Museu do Amanhã, no Rio. É também autor de um dos sons mais conhecidos da capital paulista, a musiquinha do caminhão de gás.

Procurado em 1989 por um inventor que queria substituir a fita cassete dos veículos da Ultragaz por um chip, Ziskind usou sintetizadores para recriar o som dos botijões batendo uns contra os outros. “Acrescentei uma flauta, que era mais delicada que a buzina e ia mais longe, e uns sons para que a pessoa ouvisse algo afetivo na hora de chegar perto e pagar”.

Enquanto a quarentena não acaba, Hélio também escolhe repertório para a live que fará em parceria com o Sesc no 1º de maio ao meio-dia (youtube.com/Sescsp ou https://www.youtube.com/channel/UCOTrtO54roYEm9C8Tgxnjdg)

“As crianças estão topando olhar para mim. É como se eu pegasse a mão delas e fosse nadar no fundo, conduzindo-as. Tenho 64 anos e já não estou mais preocupado se sou um artista infantil. Sou um artista dedicado à infância”.

Folhinha recomenda cinco músicas de Ziskind

Chuva, Chuvisco, Chuvarada
www.youtube.com/watch?v=fdgffg7dZlA
A melhor letra de Ziskind porque equilibra bem o humor peculiar do compositor com seu olhar delicado sobre a infância e suas joias. Em uma tarde chuvosa no sítio, a vovó prepara delícias na cozinha, enquanto todos avaliam as vantagens e desvantagens do temporal lá fora.

Glub Glub (abertura)
www.youtube.com/watch?v=HZhMi6NupmM
Decorar essa letra não será um desafio: basta cantar “glub glub” do início ao fim. Mas isso não significa que a abertura do antigo programa da TV Cultura seja uma música sem graça, pelo contrário. Preste atenção na subida da melodia e nos sintetizadores.

A História do Cocô
www.youtube.com/watch?v=du9Q_NcEX8c
A canção já é sensacional sozinha, mas, acompanhada do clipe, fica melhor ainda. Cantada por ninguém menos que um cocô, a letra mostra o desprezo que ele recebe de todos, e como, ao contrário do que se pensa, ele tem, sim, uma função.

Dente por Dente
www.youtube.com/watch?v=TlU4wtb2VuA
Ziskind conta a história do filho do capitão de um navio pirata, que, assim como seu pai, também era muito “gritão”. Um dia ele perde um dente e exige que a Fada do Dente o ajude —sim, ele também era muito mimado. A Fada até aparece, mas traz algo bem diferente do que o menino esperava.

Ratinho Escovando os dente
www.youtube.com/watch?v=ViT6V7xN-zk
Depois do sucesso que foi o banho do ratinho, Ziskind compôs uma versão em que o personagem faz sua higiene bucal. A letra começa com a ameaça que os restos de comida representam para os dentes, e segue com sacadas preciosas como a onomatopeia da escovação e a comparação do fio dental com o solo de guitarra.

Ziskind recomenda cinco músicas infantis de outros compositores (ou serão seis?)

Só Eu Sou Eu
Arthur Nestrovski e Marcelo Jeneci
www.youtube.com/watch?v=fhaLTg1Mwnk
“Só eu sou eu” já diz tudo. A letra esperta do Arthur dá a volta no assunto enquanto Jeneci, como sempre, leva a gente pra passear no mundo das melodias. A interpretação das Fadas Magrinhas é direta, sincera, de gente cantando para si. Beleza que não faz força pra aparecer.

Yue er ming (China)
www.youtube.com/watch?v=Ei0SjUrs_4A
É uma canção de ninar da China. A canção, na letra original, traz uma mãe embalando o filho e pensando no que ele vai ser quando crescer. Pensa que talvez ele seja um cientista importante, que fará um grande bem pra humanidade. Me impressionou a mãe pensar nisso enquanto embala a criança. O disco todo é uma maravilha, canções de ninar ao redor do mundo. E tem um site com todos as letras de todos os países e com as pronúncias originais. Dá pra brincar de poliglota.
Fiz uma versão dessa letra em português para o CD “Tchiribim Tchiribom”, da cantora Fortuna. A gravação também ficou muito linda.

Site com letras e pronúncia:
http://www.lullabiesoftheworld.org/lied33238-Yue-er-ming.html
Gravação Fortuna:
https://www.youtube.com/watch?v=Dw-_MLDuVOw


Solar System song
A.J. Jenkins / Kids TV 123
www.youtube.com/watch?v=BZ-qLUIj_A0
Uma canção linda sobre o sistema solar. Essa eu queria ter feito! É em inglês, dá pra brincar de astronauta da Nasa. E tem 5 milhões de visualizações no Youtube.

A Incrível História do Dr Augusto Ruschi, o Naturalista, e os Sapos Venenosos
Paulo Tatit

www.youtube.com/watch?v=AvROJKTzQ8E
Uma viagem do Paulo Tatit. Essa gravação está no CD “Quero Passear”, do grupo Rumo. Há também um vídeo mais recente feito pela Palavra Cantada. Expande a ideia de canção, uma história cantada. O violão acompanha a voz que canta e a voz que fala. Gol de placa do Paulo.

Preta Pretinha
Moraes Moreira e Luiz Galvão
www.youtube.com/watch?v=CvvA618FZcw
Adoro essa canção. E adoro a sequência das partes, dos vocais. A letra, bem Novos Baianos, meio abstrata e meio maluca, começa de mansinho e vai levando a gente, e, quando você percebe, está cantando a plenos pulmões. Pra mim é uma canção muito amorosa. Torço para que todos a vejam assim.

Você [a repórter Marcella Franco] me pediu cinco canções, mas incluo uma sexta de penetra. Penetra ao pé da letra, como o sapo da história!

Festa no Céu
João de Barro
www.youtube.com/watch?v=qxYALlodufA
A coleção Disquinho é um Everest em termos de música para crianças. Nesta “Festa no Céu”, as canções e o texto são do João de Barro. São várias canções, todas com humor e maestria de feitura. E não tem nada de “blimblimblim” pra criancinha cantar. Tem desafios! Experimente cantar a melodia de “quebrei 3 potes...”. Baixaria em sete cordas, arranjos para pequena orquestra, uma pontinha do Dorival Caymmi, e uma narração sensacional. Tipo joia da rainha.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.