Descrição de chapéu Todo mundo lê junto

Antonio Prata brinca com palavras escondidas

Em seu novo livro infantil, escritor e colunista desmembra os nomes das coisas e encontra segredos divertidos

São Paulo

Uma pessoa que trabalha apagando incêndios e salvando gatinhos de cima das árvores só pode ser alguém muito legal. Será que é por isso que o nome dessa profissão é “bombeiro”, uma palavra que já começa com “bom” assim, logo de cara?

Foi pensando coisas desse tipo, sobre como as palavras se formam, que o escritor Antonio Prata, autor de vários livros para crianças e adultos, resolveu escrever “Esconde-Esconde”, lançado agora pela editora Ubu. Em cada página, ele investiga o que pode estar escondido dentro do nome das coisas.

Ilustração de Talita Hoffmann para o livro "Esconde-Esconde", de Antonio Prata - Talita Hoffmann/Divulgação

A jaca e o cajá, por exemplo, são frutas para quem tem pressa, na visão de Antonio. Isso porque, quando quebradas ao meio, essas palavras ficam iguaizinhas ao que alguém diria se estivesse exigindo algo: “já, cá!” e “cá, já!”.

“Não precisa já saber escrever para entender o livro”, explica Antonio, que também é colunista aqui na Folha. Ele conta que copiou a ideia de “Esconde-Esconde” de tudo que via na convivência com os filhos, Olívia e Daniel, de 7 e 5 anos, respectivamente.

“Basta saber falar para já perceber que dentro da luva tem uma uva. Meus filhos tinham essa percepção da palavra em construções deles. ‘Coincidência’, por exemplo, eles falam ‘conhecidência’, como se fosse da família do ‘conhecer’. E esse é um erro de quem domina a língua”.

Antonio explica, também, que não se trata de um livro de poesia. Segundo ele, “Esconde-Esconde” está mais para uma brincadeira, já que, mesmo que use ritmo e versos no texto, tem a ideia de “extrair coisas das palavras”.

“Embora não seja metrificado, cada estrofezinha, cada página, tudo tem que ter a sua cadência muito clara, para o texto funcionar na boca da criança”. Como já aconteceu nos últimos dois livros infantis de Antonio, quem faz as ilustrações em “Esconde-Esconde” é a designer visual Talita Hoffmann. “Ela cria coisas tão ricas que o livro se basta pelas ilustrações”, elogia Antonio. “Ela não obedece ao texto, ela dialoga com ele”.

Quando Antonio escreve sobre a mexerica, que é muito rica e com quem ninguém mexe, Talita desenha uma fruta com cara de gente e pernas compridas, usando colar de pérolas, deitada no divã de uma sala com um piano de cauda. Muito chique.

Ilustração de Talita Hoffmann para o livro "Esconde-Esconde", de Antonio Prata - Talita Hoffmann/Divulgação

Talita conta que já era fã de Antonio antes da parceria. “Ele tem um senso de humor muito afinado, isso serve de inspiração. E quando o texto tem uma brecha para o absurdo eu me sinto muito mais solta. Acho que as ideias acabam ficando com mais possibilidades de interpretação”.

O “absurdo” de que Talita fala —que é quando as coisas são tão malucas que parecem não fazer sentido— está no livro em figuras, por exemplo, de cartelas e vidrinhos de remédio que têm olhos e boca, pessoas com braços feitos de fruta, e passarinhos argentinos que tocam sanfona.

Talita tem 32 anos e desenha desde pequena. Seus pais a incentivavam, levavam a menina a exposições, davam a ela caderninhos e lápis. Quando os amigos do colégio começaram a chamá-la para que ela mostrasse seus desenhos, ela viu que era boa no que fazia.

Hoje, está na segunda faculdade —já se formou em design visual, e agora faz artes visuais. Ela revela que adora reparar que os animais têm um jeito meio humano às vezes e acha engraçado desenhá-los com características que fazem lembrar pessoas.

Dez anos atrás, ela fez ilustrações para a história de “Alice no País das Maravilhas”, enquanto ainda era uma estudante. Agora, que já tem vários livros publicados e é um grande exemplo para quem curte desenhar, Talita diz que gostaria de desenhar essa mesma história mais uma vez.

Esconde-Esconde
Antonio Prata e Talita Hoffmann, editora Ubu, 44 páginas (R$ 49,90)

TODO MUNDO LÊ JUNTO

Texto com este selo é indicado para ser lido por responsáveis e educadores com a criança

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.