Pra ser sincero, eu nem como chocolate, me dá dor de barriga, diz Coelhinho

Gregorio Duvivier vai à Ilha de Páscoa com perguntas sobre ovos, pegadas e delivery

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Não foi fácil encontrar o Coelho da Páscoa. Procurei em todas as tocas do Brasil. Toca é como chama a casa do coelho. No bairro do Limoeiro, encontrei um coelho azul, com um nó nas orelhas. Pensei que fosse o Coelho da Páscoa, e comecei a entrevistá-lo. Nada! Era o Sansão, o coelho da Mônica. Ela pensou que era eu quem tinha dado um nós nas orelhas dele e me deu uma coelhada.

Saí por aí de olho roxo, e me deparei com um coelho branco, mas ele estava apressado e não quis falar comigo. Acho que era o coelho da Alice. Quem me contou onde o Coelho da Páscoa estava foi o seu primo, o escritor Paulo Coelho. Por causa da pandemia, nosso coelhinho estava escondido numa ilha lá no meio do Oceano Pacífico, a Ilha de Páscoa. Não foi fácil chegar lá. Tive que ir de barco, remando, sozinho, pra não pegar Covid. Mas valeu a pena. O coelho é gente fina!

Gregório Duvivier entrevista o Coelho da Páscoa
Gregorio Duvivier, em entrevista com o Coelhinho da Páscoa - Catarina Pignato

HELENA, 5 ANOS

O coelhinho da Páscoa tem casa?

Tenho, sim. Mas se chama toca. Você pode vir me visitar. Saca a Ilha de Páscoa? Entra na floresta, vira à direita no primeiro rio, sobe duas colinas, atravessa a cachoeira, vira à direita no riacho, e quando você vir a maior árvore da floresta, minha toca fica logo embaixo. Bate palma três vezes e chama: “Ô, Edgar!”. Coelho é sobrenome, meu nome de verdade é Edgar. E se você chamar só “Coelho!” vai aparecer minha família toda. Tenho 37 irmãos.

VICENTE, 5 ANOS

Se você for um coelho normal, como você vai trazer o meu ovo?

Rapaz, se você visse as verduras que eu como! Eu como um caminhão de rúcula e três mochilas de brócolis. Daí minha pata ficou tão forte que eu consigo ir do Rio a São Paulo num pulo só. Em dois pulinhos tô em Salvador, três pulinhos, tô em Manaus.

Me fala qual é o seu tamanho!

Não tenho régua em casa. Mas consegui me medir com o que eu encontrei por perto. Eu meço duas cenouras e meia de comprimento. Três cebolas de largura. E as orelhas medem mais ou menos o tamanho de um abacaxi.

LARA CRISTINA, 6 ANOS

Como consegue os ovos?

Não faço nada sozinho. Tenho uma amiga, a Vaca Vitória, que só come cacau, daí em vez de leite, sai chocolate da teta dela. Daí a Galinha Guta, minha vizinha, toma esse leite marronzinho e põe os ovos de chocolate. Eu só faço a logística, que é uma palavra chique pra dizer que eu faço o transporte. Eu sou tipo um Uber de Ovo.

Na pandemia como você vai fazer para entregar os ovos?

Vou ser sincero: a pandemia pode atrapalhar a chegada de alguns ovos, infelizmente. Não por minha causa. Eu não pego corona porque sou mais rápido que o vírus. No entanto a Vaca Vitória e a Guta Galinha estão morrendo de medo de pegar. Então, se eu não puder deixar um ovo, vou deixar um cartão – que você pode trocar por um ovo no ano que vem.

FRANCO, 5 ANOS

Ele trabalha tanto na Páscoa, o que ele faz depois?

Ao longo do ano participo de corridas —geralmente contra tartarugas. Às vezes trabalho com alguns mágicos, me escondendo no fundo de cartolas. No natal, ajudo o Papai Noel a entregar os presentes, mas não conta pra ninguém. As renas gostam de fingir que fazem tudo sozinhas. Mas você já viu rena subir escada? Não conseguem. Daí o Papai Noel terceiriza. O serviço. Sabe quando você não consegue fazer o dever de casa sozinho e pede ajuda pro amigo? Os adultos chamam isso de terceirizar.

LUÍSA, 3 ANOS

Coelhinho, você prefere cenoura ou chocolate? Por que você não come outras coisas?

Pra ser bem sincero, eu nem como chocolate. Me dá dor de barriga. E pra conseguir correr tão rápido, eu preciso estar bem leve. Faço uma dieta de verduras e nunca como carboidratos depois das seis da tarde.

Você escova os dentes?

Claro! Sete vezes ao dia. Afinal gosto dos meus dentes bem branquinhos. Minha escova é feita de cenoura com grama na ponta. Eu que fiz.

Por que você não corre em vez de pular?

Porque eu sei correr pulando. E pular correndo. Inventei um jeito novo de correr, que é meio pulada meio corrida, se chama pulida. Eu pulo e corro ao mesmo tempo. Pode tentar em casa. Mas cuidado com os móveis.

DANTE, 5 ANOS

Por que eu não consigo nunca ver o coelhinho?

Eu tenho que entregar ovos em 78 milhões de casas num dia só (isso porque eu cuido apenas do Brasil. Sim, cada país tem o seu próprio coelho da Páscoa). Ou seja, é tanta casa que eu só posso ficar um milésimo de segundo em cada uma. Sabe o que é um milésimo de segundo? Pisca o olho. Pronto, passei. Isso é quão rápido eu sou? Sabe o The Flash? Aprendeu comigo a correr.

FLORA, 6 ANOS

Pergunta pra ele por que é que ele deixa pegadas branquinhas como se ele tivesse passado talco no pé dele.

Não é talco! É giz. Coelho não tem sapato, né? Daí eu preciso colocar giz na sola do meu pé pra não derrapar.

DEIXA QUE EU LEIO SOZINHO

Ofereça este texto para uma criança praticar a leitura autônoma

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.