Descrição de chapéu Deixa que eu leio sozinho

Mãe encarcerada é tema de livro que mostra 'história diferente' às crianças

'A Melhor Mãe do Mundo' é narrado pelo filho orgulhoso de uma passarinha

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Tem um ditado que diz que "mãe é tudo igual, só muda de endereço". E, no caso da protagonista do livro "A Melhor Mãe do Mundo", esse ditado funciona bem: ela é mesmo bem parecida com todas as outras, no sentido de que é uma mulher incrível, e tem realmente um endereço diferente.

Ela está temporariamente morando em um presídio.

No livro, escrito por Nina Rizzi, a ilustradora Veridiana Scarpelli escolheu representar os personagens como pássaros. "Eu achava importante fazer personagens com os quais todas as crianças pudessem se identificar. O texto da Nina é tão forte, sensível e bonito que eu queria que todo mundo pudesse ler de dentro e ver e se ver através dos olhos do personagem", explica Veridiana.

"Transformar os personagens em animais era um ótimo caminho para isso, além de eu adorar desenhar animais. E, nesse sentido, os pássaros eram perfeitos por também falarem sobre liberdade e encarceramento, sempre violento e triste, mesmo quando 'justificável'."

A Folhinha conversou com a escritora Nina para saber mais sobre a obra.

Ilustração do livro 'A Melhor Mãe do Mundo', de Nina Rizzi e Veridiana Scarpelli - Divulgação

Você acha que toda criança acha que a sua mãe é a melhor mãe do mundo?

Eu acredito muito nisso. Cada mãe tem o seu jeito: algumas trabalham fora de casa, outras podem estar mais tempo. Algumas são bem animadas e outras mais quietinhas. Assim como as crianças. E é isso o que faz de cada uma tão especial. E só as filhas e os filhos sabem por que sua mãe é a melhor do mundo.

O que faz dessa mãe que você retrata no seu livro a melhor mãe do mundo?

É que, além de ela ser uma mãe tão legal para a criança do livro, brincando, contando histórias, colaborando nos desafios e estando presente sempre que pode, ela também é uma mulher muito ativa em sua comunidade, e isso é motivo de muito orgulho.

O filho dessa grande mãe, que narra a história, fala que às vezes é zoado na escola. Por que você acha que isso acontece?

As crianças às vezes zoam as outras sem qualquer sentido: porque usam óculos, por causa dos cabelos, da pele, do corpo, porque não têm muito jeito com a bola... Esse tipo de coisa não é nada legal e fere muito a gente, principalmente quando na zoação colocam a mãe no meio. No caso da criança do livro, é porque ela foi morar em outro lugar.

Que lugar é esse?

Esse lugar é um presídio. Infelizmente sua mãe foi encarcerada, ela está lá com outras mulheres nesta mesma situação e elas só podem ver os filhos no dia de visita, que é aos domingos, e é quando podem se abraçar, brincar e fortalecer os laços de amor.

No livro a gente não fica sabendo por que ela está morando lá. Por que você escolheu não contar essa parte para o leitor?

Para que as pessoas que estão lendo pudessem chegar a essa conclusão sozinhas. Além do mais, o que eu não conto a ilustração conta, né? Mas também fiquei pensando que aquelas grades, para algumas pessoas, poderiam significar outra coisa, afinal grades não estão apenas em presídios, mas em alguns hospitais psiquiátricos, por exemplo. Pode ser uma metáfora para crianças que têm as mães trabalhando longe e precisam dormir em seus empregos.

Por que você decidiu escrever a história dela?


Eu queria muito que crianças como a do livro pudessem ver suas mães representadas numa história, já que a maioria das histórias de mãe legais que a gente conhece são muito diferentes. Queria que essas crianças pudessem dizer que suas mães são sim, as melhores mães do mundo, porque elas são, assim como as suas e a minha! E que outras crianças e pessoas que já cresceram um pouco mais pudessem conhecer outros tipos de mães e saber que elas podem ser maravilhosas, independentemente de onde vem e onde estão.

O filho diz que espera que a mãe fique orgulhosa dele quando ela voltar para casa. Por que você acha que a gente gosta quando nossa mãe sente orgulho da gente?

Nossa mãe, ou a pessoa que temos de referência como mãe, é a primeira heroína de verdade que conhecemos, heroínas que dão um duro danado para que a gente cresça saudável e feliz. E, assim como nossas mães querem nos ver felizes, a gente quer muito vê-las felizes também! Uma felicidade que atravessa coração de mães e filhos está nessa frase: "você me enche de orgulho!". A mãe ficou orgulhosa e feliz, aí gente fica mais feliz ainda. Então, a mãe vendo a gente feliz, fica feliz de novo, que legal!

A Melhor Mãe do Mundo

  • Preço R$ 44,90 (32 páginas)
  • Autor Nina Rizzi e Veridiana Scarpelli
  • Editora Companhia das Letrinhas

DEIXA QUE EU LEIO SOZINHO

Ofereça este texto para uma criança praticar a leitura autônoma

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.