Marcelo Gleiser, vencedor de prêmio sobre ciência e espiritualidade, analisa a criação do mundo

Como podem mitos milenares e ciência moderna chegarem à mesma conclusão?

São Paulo

Do hinduísmo a Einstein, passando pelo psicoterapeuta suíço Carl Jung, Marcelo Gleiser costura a história das crenças e das descobertas sobre a origem do universo.

Como podem mitos milenares e ciência moderna chegarem à mesma conclusão? Como matemática e crenças se assemelham? Teria o homem um repertório limitado de pensamento? E qual teoria explica nossa origem afinal?

Em março deste ano, Gleiser, que foi colunista da Folha, conquistou o Prêmio Templeton, uma espécie de ‘Nobel’ do diálogo da ciência com a espiritualidade, sendo o primeiro brasileiro e latino-americano a ser agraciado com a premiação.

O físico esteve no palco do Fronteiras do Pensamento em 2007. Nesta temporada, Janna Levin, física teórica e astrônoma norte-americana, é quem falará sobre o universo. Ela busca compreender os buracos negros e as ondas gravitacionais no espaço-tempo. Professora de física e astronomia, Levin escreve sobre a obstinação do homem em desvendar os mistérios do universo. 

Graça Machel, Paul Auster, Roger Scruton, Denis Mukwege, Werner Herzog e Contardo Calligaris completam os conferencistas de 2019. Os ingressos estão à venda

O físico brasileiro Marcelo Gleiser, 60, professor do Dartmouth College (EUA) e vencedor do Prêmio Templeton
O físico brasileiro Marcelo Gleiser, 60, professor do Dartmouth College (EUA) e vencedor do Prêmio Templeton - Eli Burakian/Dartmouth College

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.