São Paulo, domingo, 23 de novembro de 1997
Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Dona-de-casa faz 'pacto de convivência'

DA REVISTA DA FOLHA

Saad Neto lembra do final pacífico de um caso há três anos, no Itaim Bibi (região sudoeste).
Uma dona-de-casa enfrentava o mesmo problema dos moradores do Planalto Paulista: a frente de sua casa era ponto de travestis. Na madrugada, quando a polícia passava, eles pulavam o muro de sua casa e se escondiam no jardim. Também usavam o local como banheiro.
Não adiantava chamar a polícia, porque eles eram soltos no dia seguinte.
Cansada, fez um trato com os travestis, estabelecendo regras de convivência. Ela deixaria o portão aberto para os travestis usarem um banheiro de serviço e tomarem água, mas, em compensação, eles não usariam mais seu jardim como esconderijo e, nos dias de festa ou de visitas, não ficariam na frente de sua casa.
Com experiência de 15 anos na área, o delegado Saad Neto diz: "É preciso aprender a conviver. Os travestis só passam a agredir quando são agredidos pela comunidade. Não adianta expulsá-los da frente de sua casa, porque eles vão para a frente da casa do outro."

Texto Anterior: Grupo é alvo fácil de agressões nas ruas
Próximo Texto: Ladeira 'Deus me livre' vira 'Graças a Deus'
Índice


Clique aqui para deixar comentários e sugestões para o ombudsman.


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.