São Paulo, sexta-feira, 08 de novembro de 2002

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

GOVERNO

Ao deixar governo, ministro-chefe da Casa Civil será vice-presidente executivo

Parente vai assumir cargo na RBS, sem quarentena

DA AGÊNCIA FOLHA, EM PORTO ALEGRE
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O atual ministro-chefe da Casa Civil e coordenador da equipe de transição do governo federal, Pedro Parente, 49, foi contratado pelo grupo gaúcho RBS. A empresa vai criar um cargo, o de vice-presidente executivo, que Parente assume em 1 de fevereiro. Ele deixa o governo em 31 de dezembro.
O anúncio foi feito ontem pelo presidente da RBS, Nelson Sirotsky, aos executivos da empresa. No site da RBS, Parente é definido como como "técnico de alta capacitação e administrador eficiente". A empresa divulgou internamente, também, a carta na qual Parente diz ter consultado a Comissão de Ética Pública, que, "em reunião realizada em 18 de outubro, liberou-o da quarentena imposta aos servidores públicos do primeiro escalão por se tratar de empresa cujas áreas de atuação não têm qualquer relação com suas atuais funções".
A quarentena, prevista no Código de Conduta da Alta Administração Federal, se aplica a autoridades da área econômica. Após deixar seus cargos, ficam impedidas, por quatro meses, de exercer atividade no setor privado relacionada à sua função no governo.
O Grupo RBS é sócio das Organizações Globo na Net, antiga Globocabo, que vem acumulando sérios prejuízos nos últimos anos. A empresa de TV a cabo tem sido responsável pelas principais turbulências financeiras que atingiram recentemente os negócios da família de Roberto Marinho.
O Grupo RBS tem 5,3% da Net. Em setembro, injetou R$ 2,2 milhões na empresa, na última rodada de capitalização. Ao todo, os acionistas investiram R$ 1,13 bilhão novos no negócio. A empresa de participações do BNDES, a BNDESpar, que tem 22% do capital, entrou com R$ 284 milhões.
A Globopar, holding que administra a Net, anunciou na semana passada a suspensão do pagamento de sua dívida externa de US$ 1,5 bilhão.
Um projeto de lei aprovado na terça no Senado dá poderes ao Executivo para aprovar a compra de TVs a cabo por investidores estrangeiros em até 100% do capital. A decisão, entretanto, deverá ser reavaliada no próprio Senado antes de ir à Câmara dos Deputados.
A empresa comandada pela família Sirotsky também teve problemas ao investir, em 98, no setor de telefonia. A parceria com os espanhóis da Telefónica na CRT foi desfeita e a RBS foi obrigada a vender seu portal de internet Terra (para a própria Telefónica) para recuperar capital de giro.
No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, o Grupo RBS tem seis jornais, 24 estações de rádio, um portal de internet, uma empresa de marketing, 17 emissoras afiliadas à Rede Globo, três TVs comunitárias e um canal destinado a informações para o setor rural.
"A RBS chegou ao nome de Pedro Parente por indicação da empresa SpencerStuart. O novo vice-presidente executivo será responsável pela gestão e operação das empresas do grupo RBS, reportando-se diretamente ao diretor-presidente Nelson Sirotsky", diz nota da empresa. Parente será apresentado no dia 11 ao Conselho de Administração. Entre outras empresas, o grupo Gerdau também tinha interesse em Parente. (LÉO GERCHMANN, WILSON SILVEIRA E WLADIMIR GRAMACHO)



Texto Anterior: No Ar - Nelson de Sá: Sem qualquer relação
Próximo Texto: Trecho
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.