São Paulo, quarta-feira, 18 de setembro de 2002

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

DISTRITO FEDERAL

Promotoria quer investigação sobre grilagem
O Ministério Público Federal vai pedir à PF (Polícia Federal) que inicie uma investigação sobre as denúncias de um esquema de corrupção envolvendo ex-integrantes do governo do Distrito Federal e deputados distritais, ligados ao governador Joaquim Roriz (PMDB), em grilagem de terras.
Além disso, o Ministério Público pretende enviar a documentação para que a Controladoria Geral da União inicie uma investigação porque parte das terras no DF pertence à União.
As denúncias levaram ainda o deputado distrital Rodrigo Rollemberg (PSB), candidato ao governo do DF, a entregar ao Ministério da Justiça ontem um pedido de criação de uma força-tarefa em parceria com órgãos do governo federal para investigar as denúncias de grilagem.
As denúncias surgiram a partir da divulgação de uma fita de vídeo em que o deputado Odilon Aires (PMDB), ex-secretário de Assuntos Fundiários do DF, reclama por receber menos lotes que o presidente da Câmara, Gim Argello (PMDB), para aprovar projetos de regularização de condomínios. Os dois são aliados de Roriz, candidato à reeleição e líder nas pesquisas.
A fita foi entregue por Márcio Passos, empresário acusado de grilagem, ao jornal "Correio Braziliense". Márcio e seu irmão Pedro Passos -candidato a deputado distrital- tiveram a prisão decretada pela Justiça.
O governo informou por meio de sua assessoria que não se manifestará sobre o assunto porque as denúncias envolvem integrantes do Legislativo.
Amanhã, o conselho da OAB-DF (Ordem dos Advogados do Brasil) se reunirá para analisar como a instituição vai se posicionar diante das denúncias. (SANDRO LIMA, DA SUCURSAL DE BRASÍLIA)



Texto Anterior: Rio: Candidato é morto ao tentar evitar a retirada de cartazes
Próximo Texto: Goiás: Procuradoria pede que governador seja investigado
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.