São Paulo, quarta-feira, 18 de outubro de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

No Rio, petista afirma que 2 turno "foi importante porque tiramos o salto alto"

MÁRIO MAGALHÃES
DA SUCURSAL DO RIO

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse ontem à noite em ato com artistas, intelectuais e esportistas no Canecão no Canecão que "o segundo turno foi importante porque nós tiramos o salto alto".
O presidente deu a entender que se ausentou do debate na TV Globo na véspera do primeiro turno porque pensava que a eleição estava liquidada. "Se está ganho, por que eu vou ao debate?", indagou. "Sou um cristão fervoroso; este segundo turno é uma obra de Deus".
Lula disse que, se vencesse na primeira rodada das eleições, acharia que "ganhou sozinho": "Era só eu na rua andando". Em clima de euforia com a disparada na intenção de votos, Lula comparou uma eventual vitória no primeiro turno ao triunfo do Flamengo sobre o Corinthians por 3 a 0 no domingo passado: "Seria como uma comida insossa". Corintiano, o presidente, disse: "Vou pedir para o meu Vasco da Gama [seu clube de coração no Rio] para se vingar". Em clima descontraído, foi vaiado com força pela expressiva parcela de torcedores do Flamengo -o presidente do clube, Márcio Braga, foi ao ato.
O presidente agradeceu o apoio do músico Wagner Tiso, presente, e do compositor Chico Buarque, ausente, que mandou mensagem de apoio.
Lula acusou Geraldo Alckmin (PSDB) de querer "privatizar" o avião da Presidência. Bem-humorado, falou que o ex-lutador Popó, que discursou em seu apoio e lhe colocou luvas de boxe, era menor: "Eu acho que, se eu encarar o Popó, eu dou um cacete nele".
Lula agradeceu o apoio da candidata derrotada Ana Maria Rangel, que participou do ato. Cumprimentou a atriz Dercy Gonçalves. Afirmou-se "cansado" com a campanha e atacou Fernando Henrique Cardoso.

Elite
Antes, no centro do Rio, Lula havia afirmado que "uma pequena parte da elite paulista" odeia o resto do país e não quer vê-lo reeleito por não aceitar que um nordestino dirija o Brasil. "O povo paulista é trabalhador, é ordeiro, levanta às 4h, mas tem uma pequena elite que detonou Getúlio Vargas, João Goulart, que era contra Juscelino e não aceita que um nordestino governe este país."
Em caminhada na avenida Rio Branco, encerrada com comício na Cinelândia, diante de dez mil militantes, segundo a PM, Lula voltou a atacar Geraldo Alckmin (PSDB), insinuando que ele vai privatizar empresas públicas, e chamou os rivais de "fábrica de demolição".
"A história deles é predadora, eles só sabem vender. Não é invenção minha. Parecem fábrica de demolição: não podem ver uma coisa funcionando que querem vender. O adversário disse no debate: [com voz irônica] "Vou vender o avião presidencial". Até o avião ele quer privatizar", afirmou.
Ao lado do boxeador Acelino Popó Freitas, Lula brincou sobre o fato de ter sido atacado pelo rival no debate da TV Bandeirantes. "No próximo, se alguém quiser brigar, vou levar Popó para me ajudar."
Para a animação da multidão, o candidato a governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), anunciou o resultado da pesquisa Datafolha, em que Lula aparece com 60% dos votos válidos, contra 40% de Alckmin.


Texto Anterior: Sudeste: PT fará ato com nordestinos em São Paulo
Próximo Texto: Foco: Publicitária petista leva mordida durante briga e perde parte de um dedo
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.